quarta-feira, 25 de abril de 2018

Literatura

“Bom Despacho 300 anos: Homens que a construíram”

terça-feira, 24 de abril de 2018

Tupi e Sport 30 anos depois

No detalhe os treinadores Piorra Mendonça (mineiro de São João Nepomuceno) e Geraldo Magela Tavares (1927/2015).

Literatura

"A Saga dos Resende & Gontijo"
O livro, de autoria do escritor Bom Despachense, Fernando Humberto de Resende, narra dos portugueses João Resende Costa e Maria Helena de Jesus patriarcas da família Resende e dos espanhóis Manuel Porto Carrero de Montijo (Gontijo) e Zuniga Y Pacheco patriarcas da família Gontijo. Ao longo de alguns séculos essas famílias casam seus filhos. A sua descendência alicerçada numa fé inabalável em Deus e nos ensinamentos do evangelho, povoa todo o Brasil, desbrava os sertões, cria cidades, traz o desenvolvimento, luta por justiça e clama pelos menos favorecidos.


quinta-feira, 19 de abril de 2018

19/04/1970

                           Loteria Esportiva Federal do Brasil
A Loteria Esportiva havia sido criada em 27 de maio de 1969, pelo decreto-lei 594 e viabilizada no ano seguinte. Naquele primeiro teste de 19/04/1970, dos 100 mil cartões colocados à venda, 76.649 foram adquiridos. O prêmio líquido foi de Cr$ 253.958,00, mas como ninguém conseguiu acertar os treze jogos e essa quantia acabou sendo dividida entre as oito pessoas que fizeram doze pontos. O primeiro teste foi em caráter experimental, apenas para os estados da Guanabara e do Rio de Janeiro. Os jogos de número 3 e 4 foram pelo Campeonato Carioca de Juvenis.
Tupi e Tupynambás, ambos de Juiz de Fora, fizeram o jogo 10, com vitória do Tupi por 2 x 0. Esse tradicional clássico Tu Tu pode ser reeditado em 2019, com o possível acesso do Tupynambás, que joga neste sábado, 21/04, em Teófilo Otoni, contra o América. Se vencer, garante o acesso e fica habilitado para em 2019, na primeira divisão, enfrentar o Tupi. 

Literatura

"Lourival Pechir: um estúdio, um microfone, uma voz"
A fantástica e emocionante história do ex-diretor da Rádio Teófilo Otoni (emissora fundada em 20 de janeiro de 1950) e pioneiro da radiodifusão do nordeste mineiro, Lourival Pechir, está eternizada em um livro.

De autoria do seu filho Evandro Pechir, a obra, da premiada editora  D´Plácido, narra a vida de um homem simples que encontrou na atividade da radiodifusão a paixão da sua vida e um meio de ajudar  a população de Teófilo Otoni, especialmente a menos favorecida.

Foi um visionário à frente do seu tempo, um líder de iniciativas empreendedoras na busca do progresso da cidade que adotou e que amava profundamente. Uma referência de integridade e opositor das injustiças. Voluntário de ações públicas sociais e benemérito das entidades filantrópicas. Lourival Pechir, um "turco", de origem Libanesa, era um grande ator para contar anedotas. Eram engraçadas, nunca marcadas pela vulgaridade e sim, pela singeleza.

segunda-feira, 16 de abril de 2018

Paulo Barbosa

Luto
Morre em São Paulo, aos 73 anos, o radialista Paulo Barbosa
O radialista e publicitário Paulo Roberto Machado Barbosa morreu na madrugada desta segunda-feira, 16/04, na capital Paulista. Ele sofreu um infarto fulminante e, segundo informações da família, o velório acontece à partir das 09h no cemitério Horto da Paz, em Itapecerica da Serra, na Grande São Paulo. A cremação deve acontecer às 17h. 

Paulo Barboza nasceu em 14 de maio de 1944 e começou no rádio em 07 de setembro de 1959 na rádio Imperial de Petrópolis-RJ, sua terra natal. Ainda em Petrópolis trabalhou na rádio Difusora e nos jornais Tribuna de Petrópolis, Diário de Petrópolis e Jornal de Petrópolis. No Rio de Janeiro, trabalhou nas rádios Tupi e Manchete e na TVS/SBT. Em Belo Horizonte, trabalhou na rádio Tiradentes/Globo e Itatiaia, TV Vila Rica/Band. Em São Paulo, trabalhou nas rádios Globo, Record, Capital, América, Tupi e Nove de Julho e atualmente, atuava  em duas emissoras, Super Rádio de São Caetano do Sul (de manhã) e rádio Grande ABC, de Santo André (à tarde). Na TV em São Paulo, trabalhou na Record e na Gazeta. 

Paulo Barboza foi casado por 48 anos com Eliane Barboza, que faleceu em 13 de fevereiro de 2015, vítima de câncer. O casal teve um filho, Paulo Eugênio, o Paulo Barboza Fiulho, que foi deputado estadual em São Paulo, e uma filha, Alexandra Hermínia. Era avô de três netos: Paulo Felipe, Rodrigo e Maria Gabriella.

Literatra

sábado, 14 de abril de 2018

Futebol 2018

                Campeonato Brasileiro da Série C
A Série C já contou (e conta) com participantes bastantes ilustres e com outras equipes que já tiveram seus momentos de glória no cenário nacional. Tais como: Fluminense/RJ, Náutico/PE, Bahia/BA, Vitória/BA, América/MG, Guarani/SP, entre outros. Note que desses que foram citados, três já foram campeões brasileiros (Fluminense, Bahia e Guarani), um, vice (Vitória). Sem falar que muitos times de menor expressão no futebol brasileiro já tiveram oportunidade de levantar a taça de campeão, como veremos adiante.

Abaixo os campeões da Série C em toda a história da competição.1981 - Olaria-RJ
1988 - União São João de Araras-SP
1990 - Atlético-GO
1992 - Tuna Luso-PA
1994 - Novorizontino-SP
1995 - XV de Novembro de Piracicaba-SP
1996 - Vila Nova-GO
1997 - Sampaio Corrêa-MA
1998 - Avaí-SC
1999 - Fluminense-RJ
2000 - Não realizada
2001 - Etti Jundiaí-SP (hoje Paulista)
2002 - Brasiliense-DF
2003 - Ituano-SP
2004 - União Barbarense-SP
2005 - Remo-PA
2006 - Criciúma-SC
2007 - Bragantino-SP
2008 - Atlético-GO
2009 - América-MG
2010 - ABC-RN
2011 - Joinville-SC
2012 - Oeste-SP
2013 - Santa Cruz-SP
2014 - Macaé-SP
2015 - Vila Nova-GO
2016 - Boa Esporte-MG
2017 - CSA-AL
Obs: 01 - Em 28 edições o Atlético-GO venceu duas (1990 e 2008) e Vila Nova-GO também venceu duas (1996 e 2015). De Minas o América venceu em 2009 e o Boa Esporte venceu em 2016.
02 - De 1982 a 1987, em 1991 e 1993 não houve disputa.

sexta-feira, 13 de abril de 2018

Literatura

"Lobão - Manifesto do Nada na Terra do Nunca "
Quando aparece um ofendido que se acha no direito de vir me inquirindo com aquela famosa pergunta: “Quem é você?”, eu respondo: Eu sou O NADA, drogado, decadente, matricida, epilético, reacionário, roqueiro. E como NADA eu vou contar para vocês a história da Terra do Nunca, o Brasil-Peter Pan que se recusa a crescer.    Lobão leva o leitor a pensar por conta própria e prova ser possível – e necessário – divergir com elegância. É, como ele mesmo diz, “chumbo grosso envolto em nuvens de veludo”. Do seu ponto de vista original, Lobão traça uma jornada tragicômica pela estética e a política do Brasil contemporâneo.

terça-feira, 10 de abril de 2018

FORO PRIVILEGIADO

Os 23 senadores investigados na Lava Jato podem ficar sem foro privilegiado se não se reelegerem em 2018 
Sem foro, esses senadores perderiam prerrogativa de serem julgados somente no Supremo e poderiam passar para a esfera do juiz Sérgio Moro, responsável pela Lava Jato na primeira instância.

Vinte e três senadores alvos da Operação Lava Jato – ou de desdobramentos da investigação – ficarão sem o chamado foro privilegiado se não se elegerem em 2018.  O número de parlamentares nessas condições é quase metade dos 54 senadores cujos mandatos terminam neste ano.  
O foro por prerrogativa de função, o chamado "foro privilegiado", é o direito que têm, entre outras autoridades, presidente, ministros, senadores e deputados federais de serem julgados somente pelo Supremo.  

Sem isso, os senadores passariam a responder judicialmente a instâncias inferiores. Como alguns são alvos da Lava Jato, poderiam ser julgados pelo juiz Sérgio Moro, responsável pela operação em Curitiba.  Nas eleições gerais de outubro, dois terços (54) das 81 cadeiras do Senado serão disputadas pelos candidatos. Os mandatos de senadores são de oito anos – para os demais parlamentares, são quatro.  A cada eleição, uma parcela do Senado é renovada. Em 2014, houve a renovação de um terço das vagas (27). Cada unidade federativa elegeu um senador.  Neste ano, duas das três cadeiras de cada estado e do Distrito Federal terão ocupantes novos ou reeleitos.  

Caciques ameaçados 
Entre os investigados que podem ficar sem mandato – e consequentemente sem foro privilegiado – a partir de 2019, estão integrantes da cúpula do Senado.  São os casos do presidente da Casa, Eunício Oliveira (MDB-CE); do líder do governo e presidente do MDB, Romero Jucá (RR); do líder do PT, Lindbergh Farias (RJ) e do líder da minoria; Humberto Costa (PT-PE). 

Os quatro são alvos da Lava Jato.  Ex-presidentes da Casa, Renan Calheiros (MDB-AL), Garibaldi Alves Filho (MDB-RN), Jader Barbalho (MDB-PA) e Edison Lobão (MDB-MA) também são investigados na Lava Jato e terão de enfrentar as urnas neste ano.  Lobão é o atual presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado, um dos colegiados mais importante da Casa.

Dois senadores que presidem partidos são réus no Supremo Tribunal Federal (STF): 
Gleisi Hoffmann (PT-PR), em ação penal da Lava Jato, e José Agripino Maia (DEM-RN), em desdobramento da operação. Os dois também estão na lista dos senadores com os mandatos a expirar.

O presidente do PP, Ciro Nogueira (PI), é outro senador investigado na Lava Jato que pode ficar sem mandato caso não se eleja em 2018. Na mesma situação está Benedito de Lira (AL), líder do PP no Senado.

O atual vice-presidente da Casa, Cássio Cunha Lima (PSDB-PB), é alvo de inquérito em desdobramento da Lava Jato. Seu correligionário, Aécio Neves (PSDB-MG) – ex-presidente tucano e segundo colocado nas eleições presidenciais de 2014 – também é investigado no Supremo.

Alvo de inquérito em operação derivada da Lava Jato, Aloysio Nunes Ferreira (SP) – hoje à frente do Ministério das Relações Exteriores – é outro tucano detentor de mandato que pode ficar sem foro privilegiado se não se eleger em 2018. Ele foi candidato a vice-presidente da República em 2014, na chapa encabeçada por Aécio.

As líderes do PSB, Lídice da Mata (BA), e do PC do B, Vanessa Grazziotin (AM) – ambas investigadas em desdobramentos da Lava Jato – também estão nessa lista. Vice-líder do PMDB, Valdir Raupp (RO) é réu no Supremo após investigações da operação.

Outros investigados que também são alvos da Lava Jato ou de investigações derivadas da operação, os senadores Ricardo Ferraço (PSDB-ES); Dalirio Beber (PSDB-SC); Eduardo Braga (PMDB-AM); Jorge Viana (PT-AC); e Ivo Cassol (PP-RO) – já condenado pelo STF em outra apuração sem ligação com a Lava Jato.

Literatura

"O que eu vi, não contei e agora vou contar"

Na publicação, os autores, os jornalista gaúchos Farid Germano Filho Germano Maraschin, contam parte dos 30 anos de jornalismo de Farid, por meio de depoimentos e histórias. Entre os destaques, uma viagem para a China, uma entrevista exclusiva com o ex-presidente Fernando Collor de Mello, a cobertura da fuga do criminoso Melara e uma matéria com Gerson, ex-jogador do Internacional.

domingo, 8 de abril de 2018

Cultura inútil...

Os títulos e suas definições
01 vez campeão - campeão
02 vezes campeão - bicampeão
03 vezes campeão - tricampeão
04 vezes campeão - tetracampeão
05 vezes campeão - pentacampeão
06 vezes campeão - hexacampeão
07 vezes campeão - heptacampeão
08 vezes campeão - octocampeão
09 vezes campeão - eneacampeão
10 vezes campeão - decacampeão
11 vezes campeão - unodecacampeão
12 vezes campeão - duodecacampeão
13 vezes campeão - tridecacampeão
14 vezes campeão - tetradecacampeão
15 vezes campeão - pentadecacampeão
16 vezes campeão - hexadecacampeão
17 vezes campeão - heptadecacampeão
18 vezes campeão - octadecacampeão
19 vezes campeão - eneadecacampeão
20 vezes campeão - icosacampeão.

Literatura

quinta-feira, 5 de abril de 2018

Eleições 2018

E o prefeito renunciou! 

Bruno de Freitas Siqueira, 43 anos ( 23 de agosto de 1974), engenheiro, filho do ex-deputado federal Marcelo Siqueira. Disputou seis eleições com oito vitórias e duas renúncias, mas pode aqui está saindo, em definitivo, da vida pública.

Seis disputas com oito vitórias e três renúncias

Disputou uma vaga na câmara de vereadores por três vezes, vencendo as três, com 10 anos de mandato. Renunciou no terceiro mandato para ocupar a vaga de deputado estadual. Disputou uma vaga na assembléia legislativa em uma oportunidade, cumprindo dois anos de mandato, para o qual renunciou para assumir seu primeiro mandato de prefeito de Juiz de Fora.

Disputou a prefeitura de Juiz de Fora em duas oportunidades, obtendo quatro vitórias, tendo em vista, que nas duas eleições, venceu nos dois turnos. Renunciou, ou vai renunciar, pela terceira vez.

Bruno prefeito

No primeiro mandato, uma torre de babel, com secretários de vários partidos. Se percebeu que ele norteou a nomeação por dois viés: Um, de secretários jovens, compreensível, por ele ser também jovem. Outra, por vereadores que saíram derrotados na eleição anterior. O que não é regra. Normalmente, a regra é nomear um vereador eleito, para que o suplente assuma a vaga. No segundo mandato, observou-se um secretariado, discretamente, mais técnico.

Vitórias e renúncias

O que se constata nisso tudo é que ele lutou bravamente para vencer a deputada Margarida, e venceu, com quase 50 mil votos de vantagem. E essa luta começou dois anos antes, quando ele não abraçou a campanha Pimentel, que tinha uma coligação com seu partido, num sinal claro de apoio ao candidato tucano. E esse apoio não foi em vão. Foi uma forma de neutralizar uma possível candidatura tucana em Juiz de Fora, principalmente, do ex-prefeito Custódio Mattos, que havia sido prefeito da cidade por dois mandatos.

Mas essas articulações, apoios, conchavos, tem seu preço. E agora, pelo visto, a conta veio. E ele, pelo governo ruim que realiza, por ter aparecido na lista da Odebrecht, corre o risco de ser esquecido pelo eleitor. E aquela figura politica promissora que se apresentou ao eleitor, pode estar encerrando sua carreira política. Embora em política nada é definitivo. 

Escrevo essa crônica antes de ouvir as razões do agora ex-prefeito. E essas razões precisam ser consistentes, robustas,  porque, certamente, o eleitor dele não o reelegeu para dois anos de mandato. Cabe aqui ressaltar que a insatisfação com a administração dele é clara e visível. Nesse período, aumentou sensivelmente o número de pedintes nas ruas. Mesmo que alguns citem isso ao fato de atravessarmos uma crise econômica. A cidade se tornou feia, com pichações, ruas esburacadas, passeios irregulares, terrenos públicos e privados sujos e sem muro.


Segundo membros do primeiro escalão, o prefeito, homem de poucas palavras, só era próximo do Engenheiro presidente da CESAMA, da chefe da Comissão de licitação e mais um, que eu, confesso, que pela semelhança de nomes, não foi possível identificar se é o primo, que é vereador, ou se é o secretário de comunicação.

Qual cargo?

Para renunciar a um cargo para o qual ainda tinha 34 meses de gestão, o agora ex-prefeito deve ter um horizonte político bem claro à sua frente.
E qual  seria esse cargo?
Deputado estadual - Se for esse o caminho, está na mesma base eleitoral, os votos de um antigo aliado, o deputado estadual Isauro Calais, para o qual, Bruno bancou a candidatura, em detrimento ao seu vice da época, que gozava de um bom capital político.
Deputado federal - Vai concorrer com dois deputados que tem colaborado com a administração, carreando recursos para o município. 
Marcus Pestana, que certamente terá dificuldades para se reeleger, por conta de seu alinhamento ao governo Temer e seus votos contra o trabalhador na câmara. 
Margarida Salomão, que embora tenha um bom capital político em Juiz de Fora e região, com a possível entrada na disputa, do ex-prefeito, certamente, vai ser afetada na distribuição dos votos.
Senador - Sonho de consumo de quase todos os políticos, é uma tarefa muito difícil. Já se conhece a candidatura da deputada Jô Moraes, tem agora o efeito Dilma, com domicílio eleitoral em Minas e certamente, vai precisar do famigerado FORO PRIVILEGIADO, é outro nome forte, Tem o ainda senador Aécio Neves, que com Dilma na disputa e pela imensa rejeição que tem após o episódio friboi, certamente, disputará uma vaga na câmara federal. Newton Cardoso, apesar dos seus 80 anos, espera ser lembrado pelo partido. Adalclever Lopes é um nome forte, sem descartar a possibilidade Pimentel, que pela rejeição ao seu mal governo, pode ser a opção, ou a falta dela, do PT, lançando Dilma (a exemplo de Itamar), ao governo de Minas. Numa composição com AnastasiaMarcio Lacerda e Rodrigo Pacheco correm por fora.
Vice governador? Só se for do Anastasia, porque nem o PT garante a candidatura do Pimentel, e se sair candidato, o vice pode ser de outro partido, que não, o MDB.

Para finalizar a crônica fica o questionamento: 
Qual vai ser o argumento do futuro candidato para convencer o eleitorado, nesse momento de tantas decepções, de que ele é um bom candidato?
A conferir!

Literatura

"Segredos do Conclave - Os Bastidores da Eleição do Papa Francisco" 
A obra, escrita pelo jornalista Gerson Camarotti, traz os bastidores da eleição do papa Francisco, o cardeal argentino de origem italiana, Jorge Mario Bergoglio  e a operação do Vaticano para estancar a hemorragia de fiéis na América Latina. Tudo começou com a estarrecedora decisão do papa Bento XVI (o alemão Joseph Aloisius Ratzinger de renunciar ao seu pontificado. Isso não ocorria havia seis séculos. O autor aponta na obra as principais motivações da Igreja Católica em eleger um cardeal da América Latina. Camarotti foi o único jornalista no mundo que informava em suas matérias que o cardeal Bergoglio seria eleito o novo papa.

quarta-feira, 4 de abril de 2018

Martin Luther King Jr

Nasceu em Atlanta, capital da Geórgia, em 15 de janeiro de 1929  e morreu em Memphis, no Tennessee, em 04 de abril de 1968). Foi um pastor protestante e ativista político estadunidense. Tornou-se um dos mais importantes líderes do movimento dos direitos civis dos negros nos Estados Unidos, e no mundo, com uma campanha de não violência e de amor ao próximo.  Como ministro Batista, King tornou-se um ativista dos direitos civis no início de sua carreira.[1] Ele liderou em 1955 o boicote aos ônibus de Montgomery e ajudou a fundar a Conferência da Liderança Cristã do Sul (SCLC), em 1957, servindo como seu primeiro presidente. Seus esforços levaram à Marcha sobre Washington de 1963, onde ele fez seu discurso "I Have a Dream".  Em 14 de outubro de 1964 King recebeu o Prêmio Nobel da Paz pelo combate à desigualdade racial através da não violência. Nos próximos anos que antecederam a sua morte, ele expandiu seu foco para incluir a pobreza e a Guerra do Vietnã, com um discurso de 1967 intitulado "Além do Vietnã".  King foi assassinado em 4 de abril de 1968, em Memphis, no estado americano do Tennessee. Ele recebeu postumamente a Medalha Presidencial da Liberdade em 1977 e Medalha de Ouro do Congresso em 2004; Dia de Martin Luther King, Jr. foi estabelecido como um feriado federal dos Estados Unidos em 1986. Centenas de ruas nos EUA também foram renomeadas em sua homenagem

Literatura

"A Autobiografia De Martin Luther King"
Um dos maiores símbolos da luta por igualdade, justiça e paz da humanidade, Martin Luther King liderou uma revolução que mudou os Estados Unidos e influenciou o mundo inteiro. Por sua política de resistência e transformação social através da não violência, recebeu o Prêmio Nobel da Paz em 1964. Com base em arquivo inédito de textos autobiográficos do próprio King, incluindo cartas e diários não publicados, assim como filmes e gravações, Clayborne Carson - historiador da Universidade Stanford e diretor do Martin Luther King Jr. Research and Education Institute - cria um inesquecível retrato em primeira pessoa do grande líder.

sábado, 31 de março de 2018

Sábado de Aleluia

Sábado de Aleluia é o Sábado da Semana Santa, o primeiro dia depois da crucificação e morte de Jesus Cristo e o dia anterior ao Domingo de Páscoa.  O Sábado de Aleluia ou Sábado Santo é uma data móvel, podendo cair entre 21 de março a 24 de abril.  Durante o Sábado Santo é celebrada a Vigília Pascal, ocasião em que os fiéis cristãos se reúnem em constantes orações durante toda a madrugada que antecede o Domingo de Páscoa.

O significado da Vigília Pascal está relacionado com a preparação para a ressurreição de Jesus Cristo que, segundo a bíblia, aconteceu três dias após a sua morte.  No Sábado de Aleluia também é o dia em que se acende o Círio Pascal, uma grande vela que simboliza a Luz de Cristo, que ilumina o mundo. Na vela, estão gravadas as letras gregas Alfa e Ômega, que querem dizer "Deus é o princípio e o fim de tudo”.  Na tradição católica, os altares das igrejas são cobertos, pois assim como na Sexta-Feira Santa, não se celebra a Eucaristia. Além da Eucaristia, também é proibido celebrar qualquer outro sacramento, exceto o da confissão.

Originalmente, durante o Sábado de Aleluia os católicos romanos deveriam praticar um jejum limitado, como a abstinência no consumo de carne vermelha, que deveria ser substituída por peixes.  

Judas Iscariotes
É também no Sábado de Aleluia que se faz a tradicional Malhação de Judas (ou Queima de Judas), representando a morte de Judas Iscariotes, discípulo que teria traído Jesus Cristo.  Nesta tradição popular, as pessoas costumam fazer bonecos de pano (ou de outros materiais) que simbolizam a figura de Judas. Depois, reúnem-se e “torturam” o boneco, simulando a sua morte das mais diferentes formas, seja enforcado em árvores ou queimado numa grande fogueira.

Literatura

quarta-feira, 28 de março de 2018

Gente de Expressão

Moacir Toledo nasceu em Juiz de Fora em 01 de julho de 1932. Filho de Carlos Toledo (in memoriam) e Ana Toledo (in memoriam), casado com Adelina da Silva Toledo, tem três filhos, sete netos e um bisneto. Numa família de desportista, seu filho Paulo Henrique Toledo é professor de Educação Física, foi preparador físico do Tupi. Seu neto, Raphael Toledo é atleta profissional e atua no Novo Hamburgo, do Rio Grande do Sul. É ex-sogro do Júlio Maravilha (ex-zagueiro do Tupi). Toledo faz parte da história do Tupi, tendo atuado como atleta profissional do Clube, treinador e administrador do estádio Sales Oliveira. No futebol amador, foi campeão regional, dirigindo o Prainha da cidade de Rio Novo e campeão da copa Bahamas, dirigindo o Nos Ball, do bairro Santa Luzia. Paralela à vida de desportista, trabalhou no DER (Departamento de Estrada de Rodagem) de Minas Gerais por 37 anos. Aos 83 anos, Toledo permanece na ativa e trabalha na administração do estádio Mário Helênio, há mais de 15 anos.

Literatura

"Muitas Línguas, uma Língua: A trajetória do português brasileiro"
Nesta obra, o autor, Domício Proença Filho, faz um passeio pela história do Brasil, em que perpassa fatos históricos e sociais, e aponta as transições pelas quais a língua passou ao longo dos séculos. A partir de textos representativos e com linguagem acessível, Domicio lança também um olhar agudo sobre a utilização do português brasileiro nas múltiplas circunstâncias do convívio comunitário: a relação entre a fala e a situação de fala; o papel da escola; as variantes geográficas, sociais e expressivas; a língua e a inclusão social. Num texto claro e objetivo, o autor reúne teoria e sua experiência eminentemente no ensino da língua, para trazer ao leitor riquíssimas abordagens que integram cultura, literatura e a fascinante história da língua portuguesa no Brasil. 

segunda-feira, 26 de março de 2018

Futebol mineiro


Literatura

"O Fabuloso Zé Rodrix"  
Zé Rodrix foi um personagem enigmático da música brasileira nos anos 1970. Com a lendária banda Som Imaginário foi protagonista do flerte da MPB com o rock. No trio com Sá e Guarabyra fundou o estilo que seria chamado de Rock Rural. Com a gravação de Elis de Casa no Campo, estourou em todas as paradas. E teve uma carreira solo de enorme sucesso. Num dado momento, como se entenderá nas páginas do livro, parou tudo. Se retirou do mercado fonográfico por decisão própria, direcionou seu talento para o jingle publicitário (e mil projetos mais) e foi um dos grandes do Brasil nessa seara. Ingressou na maçonaria e escreveu uma trilogia de fôlego sobre a sua história, onde demonstrou também uma afiada verve literária. Isso tudo seria pouco para a personalidade “fabulosa” e inquieta desse artista brasileiro, que dá o tom do livro. O texto de Toninho Vaz faz um check up geral nessa trajetória hiper produtiva, provocadora e cativante, e vai encher de alegrias e surpresas as mais diversas e saudosas plateias do Brasil. Zé Rodrix (José Rodrigues Trindade) nasceu no Rio de Janeiro-RJ, em 25 de novembro de 1947 e morreu em São Paulo-SP, aos 61 anos, em 22 de maio de 2009), 

sábado, 24 de março de 2018

Gente de Expressão

Luiz GONZAGA de Souza, nasceu em São João del-Rei-MG, em 21 de junho de 1939 (dia de São Luiz Gonzaga). Filho de José Firmino de Souza e Alzira Dias de Souza. Gonzaga começou sua carreiro profissional de zagueiro, no Sport Club Juiz de Fora, atuou no Sicap (Rio de Janeiro), Tupi (Juiz de Fora), Mineiro (Santos Dumont), Montanhês (Barroso) e Social Olímpico Ferroviário (Santos Dumont), clube em que encerrou a carreira. Apesar de ter nascido em São Juiz del-Rei, nunca atuou por um clube de sua terra natal. Filho de militar, seu pai que servia no 11º BI - Batalhão de Infantaria de São João del-Rei, foi transferido para  o então 12º BI - Batalhão de Infantaria de Juiz de Fora. Na terra do poeta Murilo Mendes (1901/1975), Gonzaga, atendendo ao desejo do pai, serviu ao Exército no hoje extinto Parque Regional de Armamento, localizado na avenida Independência (hoje, presidente Itamar Franco), esquina com rua padre Café, no bairro de São Mateus.    

No Sport, atuou ao lado de Ari Costa, Paraguaçu, Trocador e Chiquinho. No Tupi, jogou com Hélio (goleiro), Eli Flores, Jorge Guimarães (Jorge Onça), Moacir Toledo e João Pires (1941/2013). Foi dirigido pelo treinador Miracemense, Ayrton Moreira (1917/1975). Atuou com o Cica -  Darcy Marino da Silva (1942/2004) no Montanhês (Barroso) e no Social ( Santos Dumont).  Casado com a sra Maria Luíza e irmão da médica nefrologista Ângela Maria de Souza, Gonzaga reside em Santos Dumont desde 1974. Tem quatro filhos, quatro netos e aguarda a chegada do primeiro bisneto.

sexta-feira, 23 de março de 2018

Literatura

"Oswaldo Brandão - Libertador Corintiano, Herói Palmeirense"

Paizão, descobridor de talentos, disciplinador, Oswaldo Brandão foi um dos maiores técnicos do futebol brasileiro do século xx. Ganhou inúmeros títulos e marcou especialmente a trajetória dos grandes rivais paulistas Corinthians e Palmeiras. Foi o técnico que mais vezes comandou ambos os times. 

Pelo Palmeiras, conquistou três campeonatos brasileiros e quatro paulistas e liderou a equipe na fase áurea da chamada 'academia de futebol'. No Corinthians, ganhou dois paulistas, sendo que um deles (de 1977) encerrou um dramático jejum de 23 anos.

Também atuou na Argentina e no Uruguai e teve passagem de destaque pela seleção brasileira, embora nunca tenha ido a uma Copa do Mundo. Com a narrativa brilhante do jornalista e comentarista esportivo Maurício Noriega, entramos no mundo pessoal e profissional deste personagem marcante na crônica esportiva do país.

segunda-feira, 19 de março de 2018

Pombense Esporte Clube (PEC)

Darcy Marino da Silva, o Cica, nasceu na cidade Santos Dumont, na Zona da Mata Mineira, em 1942. Ele é detentor de uma marca ainda não superada: atuando como atacante do Social Olímpico Ferroviário, de Santos Dumont, marcou 12 gols em uma única partida. No jogo realizado diante do Pombense Esporte Clube, na cidade de Juiz de Fora-MG, no dia 10 de dezembro de 1967, em jogo que terminou em 17 a 0 para o Social Olímpico. A partida foi válida pelo Campeonato Regional, promovida pela Liga de Desporto de Juiz de Fora (profissional) e Cica também foi o artilheiro do campeonato, com 27 gols. O feito está registrado no Guinness Book, edição de 1998, página 287, embora normalmente quando se fala em recorde de gols de um mesmo jogador em uma única partida, é citado o caso de Dario, o Dadá Maravilha, que marcou dez gols na vitória de seu time na ocasião, o Sport Club do Recife contra o Santo Amaro, também do Recife, na vitória por 14 a 0. O feito do mineiro repercutiu, sobretudo no Rio de Janeiro e Cica passou 27 dias treinando pelo Flamengo e só não permaneceu na Gávea pois o Social dificultou sua contratação. Outro clube carioca que também tentou contratá-lo foi o Bangu, mas novamente o Social acabou dificultando as negociações. A única transferência de Cica acabou sendo para o Vila do Carmo, de Barbacena-MG, onde encerrou carreira. Além de Social e Vila do Carmo, Cica atuou no Mineiro (Santos Dumont), Villa Nova (Nova Lima) e Formiga da cidade de mesmo nome, no Centro-Oeste Mineiro. Após encerrar sua carreira, Cica, que nasceu na cidade mineira de Santos Dumont, trabalhou como instrutor da Escola de Futebol do Futuro, na "Terra do Pai da Aviação". Darcy Marino da Silva, o Cica, morreu em 01º de janeiro de 2005, aos 62 anos, em Santos Dumont, esposa, filhos, mãe, irmãos, noras, netos e sobrinhos, sendo sepultado em 02 de janeiro, no cemitério municipal.

Literatura

“Rivellino
A Patada Atômica, o campeão do mundo pela seleção brasileira de 1970. Ídolo de ontem e das novas gerações – de torcedores e de jogadores. Como não lembrar seus dribles e a potência daquela canhota? Conhecido até hoje como Reizinho do Parque – por suas proezas como atleta do Corinthians –, Rivellino brilhou também do outro lado da ponte aérea: até hoje é considerado o maior jogador da história do Fluminense. Conhecedor profundo de futebol, o jornalista Maurício Noriega nos conta a vida e a carreira de um dos maiores jogadores do futebol brasileiro. Os fãs descobrirão os bastidores da vida do Roberto e saberão como o menino que saiu da várzea de São Paulo se transformou no grande Rivellino, destaque até na maior seleção de todos os tempos. O livro é recheado de fotos de diversas épocas e pontuado por depoimentos da família, do próprio Rivellino e de outras grandes estrelas do futebol, como Pelé, Neto, Zico, Tostão, Beckenbauer e Platini, em entrevistas exclusivas.

Gente de Expressão

LUIZ CARLOS GOMES é radialista,  jornalista,produtor cultural. Natural do Rio de Janeiro, criado
em Mariana (MG), radicado em Belo Horizonte desde a juventude. Com mais de 40 anos de atuação nos meio de comunicação. Trabalhou em várias emissoras de rádio de Belo Horizonte, entre elas e com passagem mais longa nas emissoras:  Pampulha, Minas, Jornal, América, Globo, Capital, Inconfidência, Rede Mineira de Rádio e atualmente diretor da Rede Gerais de Comunicação, detentora de várias emissoras e do portal das Gerais ( agencia de notícias). Atuou também em várias emissoras do interior de Minas e no rádio e televisão em São Paulo e Rio de Janeiro. Exerceu as mais variadas funções. Operador, redator, produtor, repórter, apresentador de diversos programas, gerente, coordenador artístico, diretor. Atuou com repórter esportivo durante muitos anos. Criou e ou coordenou equipes de esportes. Atualmente é comentarista esportivo da Rede Gerais de Comunicação, produz e apresenta o programa Revista Geral e participa de programas de televisão em Belo Horizonte, além de manter uma coluna sobre esportes no jornal Edição do Brasil. Escreve matérias  para vários jornais e revistas de Minas, outros estados e exterior.  Foi diretor da AMIRT (Associação Mineira de Rádio e Televisão), e atualmente é o presidente da AMCE (Associação Mineira de Cronistas Esportivos), depois de exercer vários cargos na diretoria da entidade desde 1998. Fundou e dirige uma empresa de eventos culturais que já produziu e apresentou mais de 600 eventos em cidades de Minas e outros estados. Atua também, desde os anos 90 como mestre de cerimonia em eventos especiais organizados por grandes empresas e entidades, com destaque para a Mostra de Cinema de Tiradentes e Ouro Preto,  eventos promovidos pelo Sesc e grandes shows com artistas de renome da musica brasileira e internacional.   Ao longo da carreira já recebeu vários prêmios e honrarias, tanto de clubes, associações, prefeituras, empresas e entidades diversas. Se orgulha de ter participado ativamente dos grandes eventos esportivos realizados em Minas, no Brasil e no Mundo nos últimos 30 anos. Se orgulha também de ter dado oportunidade para vários jovens que se transformaram em brilhantes profissionais que até hoje atuam nos meios de comunicação do Brasil.

domingo, 18 de março de 2018

Literatura

"Sócrates - A história e as histórias do jogador mais original do futebol brasileiro"
Ídolo do Corinthians, capitão da mítica Seleção da Copa de 82, Sócrates Brasileiro Sampaio de Souza Vieira de Oliveira deixou sua marca também fora dos gramados. O futebol era pequeno demais para a grandeza de suas ideias, e ele se engajou intensamente na vida pública do país. Idealista e rebelde, o meio-campista genial que desafiava as autoridades e incomodava os cartolas carregava no nome a paixão pelo Brasil, que se viu refletida na participação ativa na campanha das Diretas Já.   Formado em Medicina, foi, ao lado de nomes como Wladimir e Casagrande, um dos líderes da Democracia Corintiana, movimento com repercussões políticas, esportivas, sociais e culturais. O mais velho dos seis filhos de seu Raimundo, um vendedor de rapadura apaixonado por filosofia grega, Sócrates queria mexer com as estruturas do país. Em campo, o ritmo de jogo cadenciado, a calma, a elegância e o temperamento frio atraíam admiradores e críticos. Fora dos gramados, a coerência, a postura contestadora, a transparência e as posições firmes igualmente conquistavam entusiastas e desafetos.   Revelado no Botafogo de Ribeirão Preto, consagrou-se no Corinthians, por onde foi bicampeão paulista em 1982 e 1983. Formou com Palhinha, primeiro, e Casagrande, mais tarde, parcerias inesquecíveis. Avesso às convenções, viveu uma vida de excessos, coerente com a maneira como gostaria de ser lembrado.

quinta-feira, 8 de março de 2018

08 de março - dia internacional da mulher

Mulheres com M maiúsculo

por Helenisa Lovisi*

Se todas as palavras começassem com a letra M poderíamos descrever as mulheres com adjetivos Maravilhosos, muito Merecedoras seríamos.
Mulheres com M maiúsculo,Meninas,Meigas, Menstruadas, MÃES (esta com certeza grifada com letras garrafais,purpurinadas,cheia de luzes ofuscantes para que seja vista em qualquer lugar e por todo o mundo).
Como conhecer uma MULHER?
Os homens que se preocupam em dizer que são homens com H maiúsculo esquecem ou ainda não descobriram, perceberam que até a forma da letra M nos lembra as Montanhas com toda a sua beleza e vigor.
Ah mulheres com TPM! Tirando o significado real da sigla poderíamos bravamente dizer TUDO POSSO MELHORAR, com meu toque,o meu pensar, mesmo o corpo em luta com os hormônios mensais,o sorriso rangendo,as cólicas nos fazendo contorcer de dor, seios,pernas inchados. Uma paradinha para a medicação, esperando ansiosamente o efeito chegar logo. Não ficamos deitadas para que isto aconteça, lá vamos nós para o trabalho ou continuar as tarefas do nosso santo dia.
Marido que se diz escrever com H maiúsculo que ao jogar bola esfola o joelho e fica de repouso porque está mancando, é recebido com a M mulher, já de olhos arregalados e prontamente irá procurar o remedinho para que o H homem não sinta dores.Ah ou seria Ai!! fiquei na dúvida.
Hora de levar, hora de buscar os filhos, sem hora para comer.
Esqueci de dizer como é a gravidez. Fiquem na imaginação!!!!!
Então chega o dia internacional da MULHER, com certeza teria que começar com a letra M ,e, segue o meu desejar de um Mundo,claro que teria a letra M também, cheio de MOR( tirei de propósito a letra A pois nos cabe no momento) e assim carinhosamente estou escrevendo para você MULHER COM M MAIÚSCULO.
Que o seu coração fique sempre preenchido de Muitos Mores,Amores,mores...
Helenisa ,MULHER.
*Helenisa Lovisi é poetisa

Literatura

"A Cidade e o Patrimônio: Ouro Preto, Paraty e Cataguases"
Toda a cidade é um organismo vivo que, invariavelmente, mantém o diálogo com seu passado e com sua história. Diálogo às vezes harmonioso e conciliador, mas, na maioria das vezes, conflituoso e dissonante. Ouro Preto, Paraty, Cataguases – cidades de Minas Gerais e do Rio de Janeiro, do interior e do litoral, com patrimônios Coloniais e Modernos, são exemplos de cidades que espelham os diversos diálogos existentes em muitas outras cidades brasileiras que possuem um patrimônio a preservar e que necessitam desenvolver uma conversa com seu passado e com sua história. Esse trabalho é fruto de esforços para compreender as dinâmicas existentes nessas cidades patrimoniais. É o fruto da experiência de três arquitetos que tentaram entender as questões, os conflitos e os diálogos presentes nas diversas vivências presentes nos moradores, nos trabalhadores e nos turistas, que habitam ou que simplesmente passam por elas. É principalmente um trabalho sobre o presente da história dessas três cidades, com suas heranças, suas culturas, suas possibilidades de diálogo e suas perspectivas de futuro. Três cidades que poderiam ser tantas outras cidades brasileiras. Se o patrimônio é a herança de um povo, é também algo vivo que se insere em uma dinâmica urbana sempre a necessitar de uma conversa, de uma confabulação, de uma atenção toda especial por parte de todos aqueles que vivenciam as cidades.

sexta-feira, 2 de março de 2018

Edmar Mariano

Luto
Morre o radialista Edmar Mariano

Morreu nesta sexta-feira, 02/03, no hospital Bom Pastor, em Varginha, o radialista Edmar Mariano. Nascido em Ituiutaba, em 05 de maio de 1960, Edmar Mariano Dias, o Timburé, era assessor de imprensa do Boa Esporte desde 2011, quando o clube Boveta trocou Ituiutaba, no Triângulo Mineiro, por Varginha, no Sul de Minas. Na imprensa mineira, Edmar foi repórter esportivo das rádios Cancella e Difusora, de Ituiutaba. O corpo está sendo velado no cemitério municipal de Varginha e será cremado na manhã de sábado, no Parque da Saudade, também em Varginha.

Literatura

 “Os estrangeiros na construção de Andradas”

O livro, escrito por Nilza Alves de Pontes Marques, traz uma pesquisa dos principais sobrenome de famílias de imigrantes de várias nacionalidades que participaram e contribuíram com a construção do município de Andradas, no Sul de Minas.
Foram citados nesta obra, além das famílias de imigrantes italianos, espanhóis, turcos, argentinos e muitos outros.

terça-feira, 27 de fevereiro de 2018

Cultura inútil...

A caneta


A história da caneta e sua evolução: dos ossos e penas às canetas tinteiro e esferográfica. 
Certamente, a escrita foi uma das mais importantes descobertas do homem. A capacidade de registrar o pensamento permitiu uma inédita difusão do conhecimento por gerações. Contudo, para a aplicação deste grande avanço, naturalmente era necessária a criação de certos instrumentos.
Na escrita cuneiforme, tipo criado pelos babilônicos, pedaços pontiagudos de madeira ou ossos eram usados para traçar os escritos, marcando permanentemente os blocos de argila onde eram feitos. Algum tempo depois, os egípcios desenvolveram o papiro, a primeira forma de papel da história. Sabe-se que, para fixar a escrita, o homem da Antiguidade começou fazendo uso de ossos molhados em tintas vegetais. Séculos mais tarde, as penas de ganso permaneceram como as principais formas de se escrever por muito tempo. Somente no final do século XVIII é que pensaram na substituição de tal instrumento por um objeto manufaturado, resultando na criação das penas de metal, as quais obtiveram relativo sucesso na época.
Durante o século XIX, vários estudiosos tentaram desenvolver uma espécie de caneta com tinta em seu interior, o que chamamos hoje de caneta tinteiro. Em 1884, Lewis E. Waterman patenteou tal invenção.
As canetas esferográficas, principais modelos usados atualmente, surgiram em 1937 por meio do húngaro Ladislao Biro, o qual se baseou em uma caneta que não borrava e cuja tinta não secava no depósito, realidade constatada durante o uso das velhas canetas-tinteiro.
Vendo o fato de tais canetas ser mais resistentes que as convencionais e funcionarem em grandes altitudes (onde há menos pressão), o governo britânico comprou os direitos da nova caneta para que pudesse ser utilizada pela tripulação da Força Aérea Real. Assim, a caneta de Biro ganhou grande notoriedade, tendo sido amplamente usada pelos militares britânicos durante a Segunda Guerra Mundial.
Contudo, pode-se dizer que a popularização das canetas esferográficas se deu em 1945, por meio do francês Marcel Bich, o qual desenvolveu um novo processo de fabricação dos objetos, capaz de reduzir grandemente os custos de produção e os preços finais repassados aos consumidores. Bich deu a estas canetas o nome “BIC”, uma abreviação de seu sobrenome. Com anúncios e propagandas ousadas na TV, o sucesso das canetas BIC foi quase que imediato, se arrastando até os dias de hoje.

domingo, 18 de fevereiro de 2018

Literatura

"A Bola e o Verbo - o Futebol na Crônica Brasileira"
O autor, Rodrigo Viana entrelaça três temas bastante caros aos brasileiros: literatura, futebol e jornalismo. Analisando crônicas de mestres como Mário de Andrade, Lima Barreto, José Roberto Torero e João Saldanha, o autor mostra como a crônica de futebol se instalou na imprensa brasileira e os desdobramentos desse movimento para nossa literatura e para o jornalismo. Com prefácio de Juca Kfouri e apresentação de Ignácio de Loyola Brandão, o livro conta ainda com o endosso dos jornalistas Roberto Cabrini e Alberto Dines. 

Cultura...

sexta-feira, 16 de fevereiro de 2018

Literatura

"Sócrates eterno - história de um ídolo"
A obra é uma biografia escrita em primeira pessoa que vem a público pelas mãos da escritora e jornalista Kátia Bagnarelli, viúva de Sócrates. Formado em Medicina, o Doutor ou Magrão, como era chamado pelos amigos, trouxe na certidão de nascimento o nome Sócrates Brasileiro Sampaio de Souza Vieira de Oliveira por causa do gosto de seu pai pelos livros, pela literatura e por alguns autores fundamentais para a história da civilização. Médico, jornalista, escritor, cantor, embaixador da fundação internacional 1GOAL, comentarista, pai de família, marido exemplar, educador e palestrante, conforme Kátia o apresenta. 

Além de algumas revelações nunca antes abordadas publicamente, o livro se dinamiza por ter como pano de fundo a história do Brasil e do esporte no mundo. Para reforçar o tom de homenagem póstuma e atemporal, o livro inclui depoimentos de personalidades, esportistas e amigos, nomes como os de Johan Cruyff, Ronaldo Fenômeno, Walter Casagrande, Toquinho, Zé Maria, Zenon, Zico, entre outros. No melhor tom confessional, o livro traz outras descobertas sobre a personalidade intensa do jogador, que teve problemas com o álcool. 

Cultura inútil...

Literatura

“Sócrates Brasileiro — Minha Vida ao Lado do Maior Torcedor do Brasil”
A maioria já conhece a trajetória de sucesso de Sócrates, não apenas por seu brilhantismo nos gramados, mas também pela visão crítica que inspirou milhares de brasileiros, seja com a criação da Democracia Corinthiana seja com o empenho e a obstinação da época das Diretas Já. Mais do que encantar em campo, Sócrates Brasileiro engajou-se na luta por um país melhor e continuou a fazê-lo até seus últimos dias. Poucos, porém, conhecem o homem por trás do mito – alguém que já nasceu com o peso da responsabilidade no próprio nome: Sócrates Brasileiro. Narrado pela esposa de Sócrates, a jornalista Kátia Bagnarelli, com a colaboração de Regina Echeverria, o livro é um relato emocionado dos últimos anos de vida de um dos maiores e mais polêmicos jogadores de futebol brasileiro. Nesta obra o leitor encontrará também boa parte de suas histórias, com opiniões inéditas sobre a democracia corintiana, a Copa de 1982, a CBF, as torcidas organizadas, as políticas de governo. 

quarta-feira, 14 de fevereiro de 2018

Carnaval 2018



Rio de Janeiro
A Beija-Flor de Nilópolis conquistou nesta quarta-feira, 14/02, seu 14º título no Grupo Especial do Carnaval do Rio de Janeiro. 

Escola de Nilópolis desfilou falando sobre corrupção, intolerância religiosa e problemas sociais. Segundo lugar ficou para a Paraíso do Tuiuti, que também tratou de política.

As escolas rebaixadas foram Grande Rio e Império Serrano, que no ano que vem desfilarão na Série A.

Classificação final
01º Beija-Flor – 269,6  
02º Paraíso do Tuiuti – 269,5  
03º Salgueiro – 269,5  
04º Portela – 269,4  
05º Mangueira – 269,3  
06º Mocidade Independente de Padre Miguel – 269,3  
07º Unidos da Tijuca – 269,1  
08º Imperatriz – 268,8  
09º Vila Isabel – 268,1  
10º União da Ilha – 267,3  
11º São Clemente – 266,9  
12º Grande Rio – 266,8  
13º Império Serrano – 265,6


Viradouro é campeã da Série A do carnaval do RJ e volta ao Grupo Especial após 03 anos

O último desfile da escola de Niterói no Grupo Especial tinha sido em 2015. A agremiação já foi campeã da Série A em 1990 e 2014 e do Grupo Especial em 1997.

A escola volta a elite com um enredo que homenageou gênios da criação, intitulado "Vira a cabeça, pira o coração - Loucos gênios da criação", citando personalidades como Albert Einstein (1879/1955), Leonardo Da Vinci (1452/1519), Galileu Galilei (1564/1642), Charles Chaplin (1989/1977), além de outras fictícias como Dom Quixote e Frankstein.

Classificação
01- Viradouro - 269,7 (sobe para o Grupo Especial)  
02- Unidos de Padre Miguel - 269,4
03- Porto da Pedra - 269,0  
04- Inocentes de Belford Roxo - 268,2  
05- Acadêmico do Cubango - 268  
06- Estácio de Sá - 267,5 
07- Império da Tijuca - 267,4  
08- Alegria da Zona Sul - 266,2  
09- Renascer de Jacarepaguá- 266,2  
10- Acadêmicos de Santa Cruz - 265,7  
11- Acadêmicos da Rocinha - 265,4  
12-Unidos de Bangu - 264,3 

13- Acadêmicos do Sossego – 263,7 (rebaixada à Série B)

São Paulo
Pelo segundo ano consecutivo, a escola de samba Acadêmicos do Tatuapé é a campeã do carnaval paulistano.

As escolas voltam ao Sambódromo na próxima sexta-feira, 16/02, no desfile das campeãs, que também terá a presença da Dragões da Real (05ª colocada), junto com Águia de Ouro e Colorado do Brás, campeã e vice do grupo de acesso. 

Este é o segundo título da história da Acadêmicos do Tatuapé, que voltou a disputar no grupo especial em 2013. O desfile da escola campeã foi assinado pelo carnavalesco Wagner Santos e teve a participação de 2.761 componentes, divididos em 26 alas e cinco carros alegóricos. A ala das baianas homenageou a Floresta dos Guarás, uma das maiores reservas florestais do Maranhão. O Palácio dos Leões, sede do governo, e outros pontos turísticos da capital São Luís, foram representados nas alegorias.  

Foram rebaixadas as escolas Unidos do Peruche e Independente Tricolor, punida com 1,2 ponto por usar uma empilhadeira para puxar um dos carros alegóricos. Apesar de ter desfilado, a Acadêmicos do Tucuruvi não foi avaliada pelos jurados. Os presidentes das 14 escolas do grupo especial concordaram que a agremiação não seria rebaixada após sofrer um incêndio em janeiro, que afetou 90% de suas fantasias e alegorias.

Classificação final :
01º Acadêmicos do Tatuapé – 270
02º Mocidade Alegre – 270
03º Mancha Verde – 270
04º Tom Maior – 270
05º Dragões da Real – 269,9
06º Império de Casa Verde – 269,7
07º Gaviões da Fiel – 269,6
08º Rosas de Ouro – 269,6
09º Vila Maria – 269,5
10º Vai-Vai – 269,3
11º X-9 Paulistana – 268,9
12º Unidos do Peruche – 268,4
13º Independente – 267,7