terça-feira, 29 de novembro de 2016

Tragédia

Acidentes aéreos com delegações de futebol

http://zh.clicrbs.com.br/rs/esportes/noticia/2016/11/acidente-da-chapecoense-e-o-maior-desastre-aereo-na-historia-do-futebol-8540038.html

http://www.assisramalho.com.br/2016/11/acidente-da-chapecoense-e-o-maior.html

Literatura


"Com os pés na África"
Escrito pelo jornalista Sérgio Túlio Caldas, o livro tem linguagem moderna, mesclando textos literários, observação jornalística e quadrinhos. E traz uma importante inovação que extrapola o objeto do livro. O leitor, por meio de links e do aplicativo QR Code, tem acesso a vídeos e áudios que enriquecem ainda mais a leitura.
Na história, o garoto Tulio – após vencer um programa de quiz na TV, cujo prêmio é uma volta ao mundo – joga a mochila nas costas e parte para seu primeiro destino: Angola. Ali, descobre a história do país africano que guarda surpreendentes proximidades com o Brasil. Ele faz amigos, encara perrengues, e vai até a casa do renomado escritor Pepetela, em Luanda, para conversar sobre a África. Pepetela conta da sua infância e revela passagens curiosas da guerra civil angolana, da qual ele participou até a independência de Angola, em 1975. O protagonista também se aventura pela exótica Marrakesh, no Marrocos, e pelo Saara, o maior deserto do planeta, onde numa viagem de camelo com nômades conhece os costumes locais e a fé religiosa.
Com narrativa ágil e bem-humorada, o livro é rico em fotos – a maioria tirada pelo autor – e explicações do vocabulário da região. Chama a atenção que as histórias vividas pelo personagem não são frutos da ficção, mas da realidade.


Dolar: Oficial, paralelo e turismo

segunda-feira, 28 de novembro de 2016

Literatura

"A Vantagem Acadêmica de Cuba"

Partindo de um estudo minucioso sobre o sistema educacional cubano, o pesquisador e professor da Universidade de Stanford, Martin Carnoy, traça um perfil com as dificuldades e soluções para melhorar o ensino público. A partir de uma pesquisa minuciosa do que acontece em classes cubanas, chilenas e brasileiras, o autor chega a conclusões contundentes e instigantes sobre as razões da superioridade acadêmica de Cuba. 

Uma das razões da superioridade do ensino cubano, apontada pela pesquisa, é a condição política de Cuba. O governo comunista do país estabelece sistemas efetivos de controle e avaliação de resultados para os gestores de ensino e professores. Além disso, existem vários programas de educação permanentes. O livro fala dos métodos cubanos, de seus resultados e analisa outros sistemas educacionais, sugerindo mudanças para sua melhoria.



domingo, 27 de novembro de 2016

Samba - 100 anos

                      Centenário do Samba - O maior espetáculo da terra
Neste domingo, 27\11, o mais brasileiro de todos os ritmos completa 100 anos. Mas o que não falta na história do nascimento do samba são controvérsias.
A data remete ao primeiro samba oficialmente registrado no país na Biblioteca Nacional. A música “Pelo Telefone” foi registrada em 1916 por Donga (1890-1974), mas foi composta coletivamente na casa de Tia Ciata.  Com essa música, a palavra samba também apareceu pela primeira vez no selo de um disco de vinil.
O escritor e jornalista Ricardo Cravo Albin avalia que "27 de novembro marca apenas o registro da música na biblioteca nacional, mas não é o nascimento do samba".
Albin considera que o mais brasileiro de todos os ritmos nasceu no começo de 1917, quando "Pelo telefone" embalou o carnaval da época. "O nascimento de uma música ocorre quando ela se torna pública e quando ela é impressa na sua estrutura e enviada naturalmente para as estantes do músico".
No Rio de Janeiro do início do século, na casa da baiana Tia Ciata, muitas composições que saíam dali, passaram a marcar a cena cultural da época.
Mas o sambista paulistano Osvaldinho da Cuíca lembra: apesar do local, os primeiros sambas tinham um outro sotaque.
"O samba ainda estava com o sotaque nordestino, maxixe, oriundo do nordeste", explica Osvaldinho. "E o Rio de Janeiro foi praticamente o berço do samba porque aprimorou, desenvolveu e tratou com muito mais seriedade o samba que qualquer outro Estado do País".

O samba é um gênero musical, que deriva de um tipo de dança, de raízes africanas, surgido no Brasil e considerado uma das principais manifestações culturais populares brasileiras.
A palavra “samba” é de origem africana. Seu primeiro registro no Brasil remonta ao ano de 1838, na revista “O Carapuceiro”, de Pernambuco. No entanto, ainda não existe um consenso entre os historiadores sobre suas possíveis origens. Segundo o pesquisador Nei Lopes, seria a etnia quioco, na qual samba significa brincar, divertir-se como cabrito. Há quem diga que vem do quimbundo “semba”, com o significado de “umbigo” ou “oração”. O quimbundo é uma língua banto falada na Angola. Para muitos povos bantos, a música era um elemento religioso e a umbigada se referia a danças sagradas, em uma espécie de ritual de fertilidade e conexão com as forças do universo.

sexta-feira, 25 de novembro de 2016

Literatura

"ABTV: Fazendo História"

Escrito pelo jornalista Luís Boaventura, o livro conta a história da TV Asa Branca, emissora de Caruaru, que abrange três regiões de Pernambuco (Agreste, Zona da Mata e Sertão) e 108 dos 185 municípios do estado, contando com apoio de duas sucursais: Garanhuns e Serra Talhada.
Foram destacadas as reportagens históricas dessa área desde 1991 e as falas dos respectivos repórteres, vozes da população, além de gerentes e diretores do departamento, além de como é produzido o telejornal local o ABTV.  
O prefácio é do repórter especial da TV Globo, Francisco José, que trabalha há mais de 40 anos na emissora e conhece muito bem a região onde a TV Asa Branca está inserida. Tendo mostrando ao Brasil as belezas do Vale do Catimbau, a alegria do São João de Caruaru e denunciado o "escândalo da mandioca", Francisco José destaca ainda o tempo em que trabalhou com Boaventura na TV Globo Nordeste, no Recife.


quarta-feira, 23 de novembro de 2016

Cultura inut...

O que é Alqueire: 

Alqueire é uma medida agrária utilizada para sólidos, como capacidade de armazenamento de cereais, ou para superfícies, como para medir a extensão de um sitio, uma fazenda, ou uma area rural de uma forma geral.

E utilizada apenas no ambiente rural, e não nos meios urbanos, o alqueire enquanto medida de superfície varia conforme a região do Brasil.

As medidas de alqueire no Brasil sao variadas: 
Alqueire Paulista: 1 (um) alqueire equivale a 2,42 ha (hectare) ou 24.200 m2 
Alqueire do Norte: 1 alqueire equivale a 2,72 ha ou 27.225 m2 
Alqueire Mineiro: 1 alqueire equivale a 4,84 ha ou 48.400 m2
Alqueire Baiano: 1 alqueire equivale a 9,68 ha ou 96.800 m2
Obs O alqueire do Paraná segue a mesma medida do alqueire paulista.

A origem do termo alqueire é da época do Brasil Colonial, em que cestas chamadas de alqueire eram utilizadas para transportar grãos, como milho e feijão. As transações comerciais eram baseadas na quantidades destas cestas, de valor variável entre 12,5 e 13,8 litros.
Posteriormente, substituiu-se o termo alqueire para outras medidas como os quilogramas ou as sacas.
A palavra alqueire tem origem árabe, vem de alquei le que significa cesta ou saco para medir, originado do verbo cale que é precisamente medir.
O termo alqueire é citado na Bíblia no seu sentido original, de cesta para medir grãos. A passagem bíblica fala em acender a candeia sob o alqueire, que simbolicamente representa ocultar a luz.

domingo, 13 de novembro de 2016

Locução esportiva pelo rádio

Algumas dicas para os jovens que transmitem futebol pelo rádio: 
por Maurício Menezes*
01) Transmitam em cima do lance;
02) Quando a bola estiver com a defesa, economizem fôlego até que chegue ao ataque, pois ai é que o ritmo da transmissão deve ser aumentado, pois há possibilidade de gol. Se vocês transmitirem tudo no mesmo ritmo, a voz pode falhar na hora do gol, a emoção maior;
03) Criem alguns bordões para a transmissão, pois o locutor esportivo precisa ter criatividade. Além disso, os bordões marcam o locutor;
04) Não copiem outros locutores. No início, é até admissível, mas, com o passar do tempo, sejam vocês mesmos;
05) No dia da transmissão, falem pouco, preservem a voz;
06) Durante a transmissão, digam umas duas vezes em cada tempo, pelo menos, o nome do autor ou dos autores dos gols até aquele momento, pois o ouvinte pode ter ligado o rádio com a partida em andamento e tem a curiosidade de saber;
07) Evitem comentar a partida durante a transmissão, pois esvazia a participação do comentarista;
08) Se o plantão chamar, passem imediatamente, pois um gol deve ter acontecido em outro jogo. Exceção: se houver possibilidade de gol no lance que vocês estão transmitindo;
09) Divulguem renda, público pagante e público presente também ao final da transmissão, pois durante o jogo, normalmente, o repórter divulga muito rápido, pois a bola está rolando, e muitos não pegam;
10) Se houver preliminar, mesmo que não seja importante, divulguem pelo menos uma vez em cada tempo do jogo principal o resultado da preliminar e, se possível, os nomes dos autores dos gols. Motivo; os parentes e os amigos dos que jogaram podem ter essa curiosidade de saber. Se vocês fizerem isso sempre, esses parentes e amigos serão ouvintes fiéis em outros jogos, pois terão a certeza de que vocês divulgarão, darão atenção;
11) Se entrevistarem algum ouvinte antes, durante ou depois do jogo, perguntem o nome dele, a rua e o bairro em que mora. Fazendo assim, certamente algum vizinho ou amigo vai comentar com ele/ela que o/a ouviu no rádio. Se vocês perguntarem apenas o nome do ouvinte e ele responder José, por exemplo, ninguém vai saber que José é esse. É como se vocês entrevistassem um fantasma. Espero que essas dicas sejam úteis para vocês. Abração.
*Maurício Menezes - Locutor esportivo e advogado






sexta-feira, 11 de novembro de 2016

Literatura

"Só de Bicho"
Escrito por Laura Medioli e Fernando Fabrini o livro de crônicas, “Só de Bicho”, é editado pela Sempre Editora. São histórias de cães, gatos, além de macacos, gambás, cavalos e outros animais. A renda do livro será destinada a entidades voluntárias que trabalham no cuidado, castração e adoção de animais de rua. 

quarta-feira, 2 de novembro de 2016

Finados

Hoje, 02 de novembro, vou homenagear alguns integrantes da mídia, de Juiz de Fora, da região e da capital do estado, com os quais convivi, ou soube de suas existências:

em Juiz de Fora-MG 
MARCOS SILVA (1959/2012) 
Esse, o narrador esportivo com o qual eu mais trabalhei. Marcos teve seu corpo encontrado no dia 02\11, de 2012, um dia de finados. E hoje está completando 19 anos que transmiti com ele Tupi 1 x 1 CSA, no estádio Rei Pelé, em Maceió, pela Série C, do campeonato brasileiro.

MARCIO AUGUSTO (1945/2012) 
O maior comunicador que conheci no rádio de Juiz de Fora.

ANTONIO MARCOS (1973/2005), ANA LUÍSA DAMASCENO (1978/2011), DIRCEU BUZINARI (1937/2006), ADAIR MENDES (1949/1992), CLAUDINEY COELHO (1947/2010), VALÉRIA SFEIR (1953/2010), JOÃO LOREDO (1930/2012), GERALDO MAGELA TAVARES (1927/2015), Wilson de Almeida (1932\1998), Aparício De Vitta, Helena Bittencourt, Antonio D'Angelo (Antonio Mateus D'Angelo), Toni Martins (Antonio Martins Caetano), Roberto Soares (Antonio Roberto da Silva Soares), Carlos Neto (Carlos Fedoceo Neto -2016), Ronaldo Mineiro (Ronaldo Ozório\Ronaldo Mineiro ( -2016), Otto Alves Ribeiro (-29\07\2011), Randall de Oliveira, e Roberto Barreto.

Outros, que mesmo não sendo diretamente da comunicação, tinham boa relação com ela e deixaram saudades:

EUCLIDES MANOEL (1914\2011), BEATRIZ HOLANDA (1953/2011),GERALDO SANTANA (1930\2011), JOÃO PIRES (19__\2013).

Santos Dumont-MG
JORGE DE CASTRO (19 /2014), ADÃO CÉSAR (1951/2011), GILBERTO FREIRE (1944/1994), SEBASTIÃO CHAGAS (1955/2010).

Belo Horizonte-MG
Gleno Rocha dos Santos (-13\07\2016), ALAIR RODRIGUES (1937/2012), CARLOS VALADARES ( ), WALDIR DE CASTRO (1934/2016) e FERNANDO SASSO ( ).


Além Paraíba-MG.
HELIO FAZOLATO (1930\2010)

Cataguases-MG.
JOSÉ AMÉRICO (1932\2011)

Barbacena-MG 
Elcio do Carmo, Beraldo Rigote (José Maria Beraldo Rigote) e Silva Júnior (Miguel da Silva Filho).

Esses, embora não sendo de minhas relações, mas eu sabia da existência deles:
José de Barros (1932/2016), Joelson Jaime (??\2012), Dirceu Costa Ferreira (1937\2000), José Carlos de Lery Guimarães (1933\1999) Mário Helênio de Lery Santos (??/1995), Claudio José Temponi (??\2005), Wilson Amin de Paula e Jorge Roberto Leite (Jorjão Maravilha).

Literatura

"Álvares Cabral, 400 – A Casa da Liberdade"

O livro é um projeto da Livraria e Editora Graphar, executado com recursos da Lei Rouanet e patrocínio da CBMM, que busca retratar os 70 anos do Sindicato dos Jornalistas de Minas Gerais e 50 anos da Casa do Jornalista, completados em 2015. A obra é uma biografia do Sindicato e da Casa do Jornalista,  resume o editor Paulo Lemos, responsável pela organização do projeto.

domingo, 30 de outubro de 2016

Patrimônio histórico

             "Castelinho da SEG"
Antigo "Castelinho da SEG", localizado na avenida Rio Branco, região central de Juiz de Fora-MG, que pertenceu ao empresário Maurício Baptista de Oliveira. Nele, o empresário administrava sua empresa de segurança, especializa em transporte de valores e segurança das agências bancárias. Administrava também o Tupi durante o período em que presidiu o clube. SEG - Serviços Especiais de Guarda. Hoje o prédio totalmente restaurado, abriga uma Clínica Médica especializada em exames. 
Maurício Baptista de Oliveira 
Maurício Baptista de Oliveira, além de presidir o Tupi na década de 1980 e a SEG, foi fundador da CJF (Conservadora Juiz de Fora) e era também agropecuarista, no município de São João Nepomuceno.  

João Baptista Nunes de Oliveira
Seu pai, João Baptista Nunes de Oliveira, no inÍcio de 1927, fundou a Companhia de Fiação e Tecelagem São Vicente (CFTSV), especializada na fabricação de cobertores.  

Francisco Baptista de Oliveira  
Seu avó, Francisco Baptista de Oliveira nasceu em Entre-Rios de Minas e chegou a Juiz de Fora em 1882, com 25 anos de idade. Fundou a Casa Barateza, foi um dos responsáveis pela criação dos bancos Crédito Real e Territorial e Mercantil de Minas Gerais. Ele trouxe também a Companhia Têxtil Bernardo Mascarenhas (CTBM) para Juiz de Fora e foi um dos fundadores da Companhia Mineira de Eletricidade. No setor educacional, inspirado nos moldes da Escola de Altos Estudos Comerciais de Paris, criou, em 1894, a Academia de Comércio, com o objetivo de formar diretores comerciais e banqueiros. Fundou o Diário de Minas. No Morro do Imperador, em 1900, ergueu um cruzeiro a Cristo Redentor para marcar a passagem do século. Morreu aos 45 anos

quinta-feira, 27 de outubro de 2016

Literatura

"Era Um Garoto - O Soldado Brasileiro De Hitler – Uma História Real"

Livro-reportagem escrito pelo jornalista Tarcísio Badaró a partir do diário de Horst Brenke, um brasileiro filho de pais alemães que retornou com a família para Berlim durante a adolescência e foi forçado a integrar o exército de Hitler nos meses finais da Segunda Guerra Mundial. Capturado por soldados soviéticos, foi feito prisioneiro na Rússia por mais de um ano, período em que manteve o diário. Depois de libertado, sem documentos que comprovassem sua nacionalidade e com o português já vacilante, vagou pela Europa e encontrou muitas dificuldades para retornar ao Brasil, país que considerava seu verdadeiro lar. O livro é dividido em duas partes: a primeira consiste em uma narrativa tocante baseada nos relatos do diário de Horst e na pesquisa de Badaró; já a segunda apresenta a investigação do jornalista, que refez os passos de Horst pela Europa a fim de reconstituir sua história, uma história que nem mesmo sua família conhecia muito bem.

quarta-feira, 26 de outubro de 2016

Geraldo Pereira (Geraldão)

Morre em Juiz de Fora o ex-vereador Geraldão

Morreu na última segunda-feira, 24\10, no HMTJ (Hospital e Maternidade Terezinha de Jesus), Geraldo Pereira, o Geraldão. Vereador em Juiz de Fora por três períodos (83\88, 89\92 e 93\94), Geraldão que tinha base eleitoral nos bairros Santo Antonio, Nossa Senhora de Lourdes e região, deixa esposa (Margarida Paula Pereira), três filhas (Marcia, Rejane e Aparecida) e 09 netos. Além de vereador, Geraldão foi operário na CTBM (Companhia Têxtil Bernardo Mascarenhas) por cerca de 30 anos. O corpo foi velado e sepultado no cemitério municipal Nossa Senhora Aparecida, na terça-feira, 25\10.


Literatura

"As Grandes Mentiras Sobre A Igreja Católica - Desvende Os Mitos Sobre O Catolicismo"

Conheça as respostas para as contestações mais comuns sobre a Igreja Católica. Quantas vezes já ouvimos que a Igreja agiu de modo terrível na Idade Média, atrapalhou enormemente a ciência, matou milhares de inocentes durante a Inquisição e que é machista ou elitista? Quantas pessoas já questionaram a relevância dos santos, dos rituais e das relíquias do catolicismo sem saber exatamente o que eles significam ou representam? Para estes e outros questionamento é que Alexandre Varela, o responsável pelo maior blog católico da atualidade, O catequista, escreveu um verdadeiro manual para o católico moderno. Divertido e com o característico humor ácido da página, As grandes mentiras sobre a igreja católica comprovará que a realidade por trás da Igreja se revela completamente diferente das histórias que ouvimos nas escolas e na mídia.

terça-feira, 25 de outubro de 2016

Carlos Alberto Torres (1944\2016)

LUTO
Morre no Rio, ao 72 anos, o ex-jogador Carlos Alberto Torres.

Carlos Alberto Torres nasceu na Vila da Penha, no Rio de Janeiro-RJ, em 17 de julho de 1944. Como atleta, jogou no Fluminense, Botafogo, Flamengo, Santos, New York Cosmos e Califórnia Surf. Revelado pelo Fluminense, sendo medalhista de ouro nos Jogos Pan-Americanos de 1963, em São Paulo, e foi campeão do Carioca de 1964. Logo depois, se transferiu para o Santos, sendo cinco vezes campeão paulista (1965, 1967, 1968, 1969 e 1973). No Botafogo, em 1971, atuou por empréstimo em 22 jogos, onde também se destacou nos 03 meses do empréstimo. Em 1976 retornou ao Fluminense, onde fez parte do time que ficou conhecido como a "Máquina Tricolor", sendo campeão carioca em 1976, semifinalista do campeonato brasileiro de 1976, depois de eliminar o Flamengo. Atuou ainda no Flamengo em 1977. No Cosmos, de Nova York, de 1977 a 1980 e 1983, e no Califórnia Surf, em 1981. Disputou 53 jogos na seleção brasileira (1968\1970), marcando 08 gols.
Como treinador de futebol, Carlos Alberto dirigiu no Brasil: Fluminense, Flamengo, Botafogo, Atlético-MG, Corinthians, Náutico e Paysandu. No exterior, dirigiu Monterrey, Tijuana e Querétano (México), Once Caldas e Unión Magdalena (Colômbia), Miami Freedom (EUA), Omã (Catar) e Azerbaijão. Na política, foi vereador no Rio, pelo PDT, de 1989 a 1993.
Foi casado com a atriz Terezinha Sodré e era pai do ex-zagueiro Alexandre Torres.

segunda-feira, 24 de outubro de 2016

Literatura

"A História do Brasil Para Quem Tem Pressa - Dos Bastidores do Descobrimento à Crise de 2015 em 200 Páginas!"


sábado, 22 de outubro de 2016

Caratinga-MG

Agnaldo Timóteo
Agnaldo Timóteo Pereira nasceu em Caratinga, em 16 de outubro de 1936.  Iniciou sua carreira cantando em programas de calouro na rádio de Caratinga, Governador Valadares e Belo Horizonte, onde se tornou conhecido como o "Cauby mineiro". Mudou-se para o Rio de Janeiro, passando a trabalhar como motorista da cantora Ângela Maria. Enquanto isso, continuava sua carreira e aos poucos tornou-se conhecido nacionalmente pela sua voz. Ficou famoso ao gravar a canção Meu Grito, de Roberto Carlos. Depois disso vieram vários sucessos românticos, como Ave-Maria, Mamãe e Os Verdes Campos De Minha Terra.

Na política
Iniciou atuação política em 1982, quando elegeu-se deputado federal no Rio de Janeiro, pelo PDT. No Colégio Eleitoral de 15 de janeiro de 1985, para escolha do presidente da República (que teve a vitória Tancredo Neves), votou em Paulo Maluf. Candidatou-se em 1986 a governador do Rio de Janeiro e foi derrotado; em 1994, reelegeu-se deputado federal.
Em 1996 foi eleito vereador na cidade do Rio de Janeiro, mas não conseguindo a reeleição em 2000. Transferiu-se para São Paulo e em 2004 foi eleito vereador pelo Partido Progressista, mas, devido a divergências com Celso Russomanno, foi para o Partido Liberal (atual Partido da República).
Ruy Castro
Ruy Castro nasceu em Caratinga, em 27 de fevereiro de 1948 e é um jornalista e escritor brasileiro. Com passagem por importantes veículos da imprensa do Rio de Janeiro e de São Paulo a partir de 1967, e escritor, a partir de 1988. É reconhecido pela produção de biografias como "O Anjo Pornográfico" (a vida de Nelson Rodrigues), "Estrela Solitária" (sobre Garrincha) e "Carmen" (sobre Carmen Miranda), e de livros de reconstituição histórica, como "Chega de Saudade" (sobre a Bossa nova) e "Ela é Carioca" (sobre o bairro de Ipanema, no Rio).

Ziraldo
Ziraldo Alves Pinto nasceu em Caratinga-MG, em 24 de outubro de 1932. É um cartunista, chargista, pintor, dramaturgo, caricaturista, escritor, cronista, desenhista, humorista, colunista e jornalista brasileiro. É o criador de personagens famosos, como o Menino Maluquinho, e é, atualmente, um dos mais conhecidos e aclamados .
Ziraldo Alves Pinto passou toda a infância em Caratinga. É irmão do também desenhista, cartunista, jornalista e escritor Zélio Alves Pinto e Ziralzi Alves Pinto. Estudou dois anos no Rio de Janeiro e voltou a Caratinga, tendo concluído o módulo científico (atual ensino médio). Formou-se em Direito pela Universidade Federal de Minas Gerais em 1957.

Míriam Leitão
Miriam Azevedo de Almeida Leitão nasceu em Caratinga, em 07 de abril, 1953. É é uma jornalista e apresentadora de televisão brasileira. Atualmente ela apresenta o GloboNews Mirian Leitão e faz comentários no Bom Dia Brasil 1 e na coluna Panorama Econômico de O Globo. Miriam Leitão é  filha da Dona Mariana e do Reverendo Uriel de Almeida Leitão. É formada na Universidade de Brasília.

Graça Foster
Maria das Graças Silva Foster nasceu em Caratinga, 26 de agosto de 1953. Ttambém conhecida como Graça Foster, é uma engenheira química brasileira. Executiva de carreira da Petrobras, foi diretora de Gás e Energia da empresa, assumindo a presidência da companhia em 13 de fevereiro de 2012. Foi eleita quarta executiva mais poderosa no mundo dos negócios, segundo ranking elaborado pela revista Fortune. Formada em Engenharia química pela Universidade Federal Fluminense (UFF) em 1978, mestre em Engenharia de Fluidos e pós-graduação em engenharia nuclear pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). 
Rosilda de Freitas (Rose de Freitas) nasceu em Caratinga, em 23 de janeiro de 1949 e  é uma política brasileira.
Elegeu-se deputada federal pelo Espírito Santo em 1982 . Em 1986 tornou-se deputada federal. Foi reeleita em 1990 já pelo PSDB.

Em 1994 disputa o governo capixaba, obtendo o 4º lugar. Tenta retornar a Câmara dos Deputados em 1998 mas obtêm a suplência. Assume eventualmente o mandato entre 2001 e 2002. Nas eleições de 2002, elege-se novamente deputada federal. Retorna ao PMDB e se reelege em 2006 e 2010. 

Em 2014, torna-se a primeira mulher a se eleger para o Senado Federal pelo Espírito Santo, com 46% dos votos (776.978), derrotando os ex-prefeitos de Vila Velha, Neucimar Fraga, que conseguiu 31% e de Vitória, João Coser, que obteve 20%. Rose venceu os adversários em 69 dos 78 municípios capixabas. 

Caratinga-MG
Caratinga Pertence à microrregião homônima, à Mesorregião do Vale do Rio Doce e ao colar metropolitano do Vale do Aço, localizando-se a leste da capital, distando desta cerca de 310 km.Em 2013, sua população foi estimada pelo IBGE em 90.192 habitantes, sendo então o 37º mais populoso de seu estado e o primeiro de sua microrregião.

Toponímia
"Caratinga" é um sinônimo de cará. É um termo originário do termo tupi aka'ratin'ga, que significa "cará branco". O nome da cidade é uma referência à abundância desse tubérculo comestível na região desde a época em que ela era ocupada pelos índios aimorés.

Caratinga é subdividida em onze distritos, sendo eles a Sede, Cordeiro de Minas, Dom Lara, Dom Modesto, Patrocínio de Caratinga, Santa Efigênia de Caratinga, Santa Luzia de Caratinga, Santo Antônio do Manhuaçu, São Cândido, São João do Jacutinga, Sapucaia.

Diocese 
A Diocese de Caratinga é uma circunscrição eclesiástica brasileira criada em 1915, pertencente à Província Eclesiástica de Mariana, Regional Leste II, em Minas Gerais. A sé episcopal está na Catedral de São João Batista, localizada em Caratinga. O bispo diocesano é Dom Emanuel Messias de Oliveira, desde 2011. Dom Emanuel Messias de Oliveira nasceu no dia 22 de abril de 1948 em Salinas-MG. 

Literatura

"Rogéria - uma mulher e mais um pouco"

Escrito por Marcio Paschoal, o livro conta a história dela, nascida Astolfo (Astolfo Barroso Pinto, nascido em Cantagalo-RJ, em 25 de maio de 1943) e transformada em Rogéria em 1964, ano do golpe militar. Ela conta em livro (quase) tudo sobre sua intensa vida sob os holofotes da fama e fora deles. Rogéria conta, por exemplo, seu namoro com um jogador da seleção de 1970, e que num show em Brasília, em plena ditadura, sentou-se no colo do temido general Golbery (Golbery do Couto e Silva-1911\1987).


sexta-feira, 21 de outubro de 2016

Perdas

Marcelo Di Lallo
Morreu na manhã desta quarta-feira, 19\10, aos 50 anos, o jornalista esportivo Marcelo Di Lallo. Di Lallo estava praticando exercícios físicos quando se sentiu mal e desmaiou. Apesar do socorro, ele não resistiu. Di Lallo trabalhou nas rádios Record, Capital, Gazeta e CBN. Em 2007, ajudou a criar a Rádio Estadão/ESPN e lá ficou até 2012.

Orival Pessini
Morreu na madrugada desta sexta-feira, 14\10 em São Paulo, aos 72 anos, Orival Pessini, criador do Fofão e Patropi. Nascido em Maurília, no oeste do estado de São Paulo, em 1944, o ator e humorista de tinha câncer no baço e estava internado no Hospital São Luiz, no bairro do Morumbi, Zona Sul da capital Paulista.

Zuleide Ranieri
Morreu na manhã desta sexta-feira, 14\10, Zuleide Ranieri radialista que marcou época como narradora de futebol na Rádio Mulher, nos anos de 1970. O sepultamento está marcado para sábado, 15\190, no Cemitério dos Jesuítas, em Embu das Artes, na região Metropolitana de São Paulo. Além da Rádio Mulher de São Paulo, Zuleide trabalhou nas rádios Piratininga de São José dos Campos e Cacique, de Santos.

Flávio Gikovate
O psiquiatra, psicoterapeuta e escritor Flávio Gikovate morreu aos 73 anos em São Paulo nesta quinta-feira, 13\10. Ele estava internado no Hospital Albert Einstein, na Zona Sul da capital, para tratar de um câncer descoberto em março. 

José de Barros
O radialista José de Barros morreu em Juiz de Fora na manha deste sábado, 01\10, aos 84 anos, na Santa Casa de Misericórdia e o sepultado está marcado para domingo, no cemitério Parque da Saudade. Nascido em 18 de janeiro de 1932, em Conceição do Formoso, distrito de Santos Dumont, José de Barros chegou a Juiz de Fora em 1944 e ficou 55 anos ininterruptos “no ar” numa mesma emissora de rádio da cidade. José de Vicente de Barros, que também foi vereador ( ) era pai de dois filhos (os médicos Rogério de Barros e José Vicente de Barros Júnior) e avô de três netos.



domingo, 10 de julho de 2016

Literatura

 "O Fluminense somos todos nós"

O título da obra é uma expressão inspirada em um texto do Machado de Assis. No livro tem centenas de imagens, muitas inéditas e exclusivas do fotógrafo Carlos Ivan Miranda, coautor do livro “Torcida do Fluminense: a melhor e mais bonita do mundo”. O trabalho será escrito, editado e produzido por Heitor D´Alincourt, Dhaniel Cohen e Carlos Santoro, trio que compõe o Flu-Memória, departamento que responde por projetos artísticos, culturais, históricos ou literários do Fluminense e que já lançou oito livros oficiais do clube desde 2012. Inclusive, três nasceram via financiamento coletivo!

Futebol

Literatura

 “Torcida do Fluminense: a melhor e mais bonita do mundo”




Idealizada pelo tricolor Heitor D'Alincourt e com fotos do também tricolor Carlos Ivan Miranda, a obra é o primeiro ensaio artístico a documentar a paixão da torcida tricolor pelo seu time.

sexta-feira, 8 de julho de 2016

quinta-feira, 7 de julho de 2016

Literatura

“Cancioneiro Divulgação” 
Obra escrita por José Luiz Ribeiro, toda em sextilhas, que culminou na formatação de um álbum de retratos dos 50 anos do Grupo Divulgação. São versos que legendam momentos históricos, montagens celebradas e realizações nos mais diversos feitos. Passando pelos espaços, repertórios e unindo nomes, o livro começa com Juiz de Fora no tempo da Faculdade de Filosofia e Letras, no Alto dos Passos, quando o bonde deixava os alunos na porta da Faculdade. São 430 fotografias feitas pelos mais renomados fotógrafos, que durante esses 50 anos, documentaram a história do Grupo Divulgação.
O projeto gráfico do livro foi feito por José Luiz Ribeiro, a diagramação e o tratamento de imagens por Franciane Lúcia, a capa foi assinada por Augusto França, a revisão e a pesquisa são de Márcia Falabella, com tratamento de imagens feitas por Messias Matheus e Saulo Machado e a colaboração de Douglas Zimmermann e Victor Dousseau.

Futebol

terça-feira, 5 de julho de 2016

Literatura

"Arredores de Juiz de Fora - imagens, poemas e canções" 

De autoria dos médicos Márcio Luiz Itaboray. José Rafael Leão e Carlos Sérgio Santos e projeto gráfico de Nathalia Duque, a obra retrata registros históricos, poemas, canções de compositores mineiros e fotografias sobre a viagem realizada pelos três autores nos arredores de Juiz de Fora, especialmente seus três distritos (Rosário de Minas, Sarandira e Torreões), um ex-distrito (Paula Lima) e os 14 municípios vizinhos (Belmiro Braga, Bias Fortes, Bicas, Chácara, Coronel Pacheco, Ewbank da Câmara, Lima Duarte, Matias Barbosa, Santa Bárbara do Monte Verde, Santana do Deserto, Santos Dumont, Pedro Teixeira, Pequeri e Piau). Os autores, nos últimos seis meses percorreram cerca de 1.600 km, sempre nas manhãs de sábado, visitando e colhendo informações nos distritos e cidades que fazem parte do livro.


segunda-feira, 4 de julho de 2016

Rondon Pacheco (1919-2016)

Luto
Morre em Uberlândia, aos 96 anos, em Uberlândia, o ex-governador de Minas, Rondon Pacheco
Rondon Pacheco,  nasceu em Uberlândia em 31 de julho de 1919, bacharel em direito, iniciou na política em 1947, ano que se elegeu deputado estadual por Minas Gerais. Em seguida, foi deputado federal de 1951 a 1971 e 1983 a 1987. Foi governador de Minas nomeado pelo então presidente Emílio Garrastazu Médici, de 1971 a 1975. Durante seu governo, foi viabilizada a implantação em Betim, na região metropolitana de Belo Horizonte, da FIAT (Fábrica Italiana Automobilística de Turim), inaugurada em 09 de julho de 1976.

domingo, 3 de julho de 2016

Literatura

"Estado e Oposição no Brasil - 1964/1984"
Narrado pela autora Maria Helena Moreira Alves, a partir de uma visão crítica e objetiva do golpe de Estado por meio do qual o poder central do Brasil passou às mãos de uma coalizão civil-militar em 1964, este livro é fruto de extensa pesquisa realizada sobre os eventos históricos ocorridos no período de 1964 a 1984 ano em que o povo brasileiro conquistou do direito de eleger o Presidente da República pelo voto direto, universal e secreto.Nesta segunda edição, atualizada e ampliada, a autora faz a seguinte reflexão: a partir da perspectiva de 2003 'o que conseguimos, o quanto avançamos, quais são as seqüelas que permaneceram em nossa sociedade deste longo período de ditadura? 'Através da análise da relação dialética entre o Estado e a oposição, seguindo detalhadamente o processo de formação e institucionalização do Estado de Segurança Nacional no Brasil, a autora mostra como a Doutrina de Segurança Nacional e de Desenvolvimento, desenvolvida na Escola Superior de Guerra, cumpriu o papel ideológico determinante no desenrolar desse período.Estado e oposição no Brasil apresenta uma análise de como, apesar de o grupo que assumiu o poder em 1964 ter baseado seu plano de governo nos conceitos da Doutrina de Segurança Nacional e Desenvolvimento - a formação e institucionalização de um Estado de Segurança Nacional foi bloqueada, a cada momento, pela ação de grupos de oposição dentro da sociedade civil, analisando ainda o período da 'abertura' do Presidente Figueiredo no contexto de uma terceira fase da institucionalização do Estado, e não como uma real transição para a democracia

terça-feira, 28 de junho de 2016

Futebol

Villa Nova Atlético Clube
por Wagner Augusto*

Neste 28 de junho de 2016, o Villa Nova, de Nova Lima está completando 108 anos de fundação. Trata-se do segundo time mais antigo de Minas Gerais, sendo que apenas o Atlético é três meses mais velho. Ao longo dessa longa e gloriosa história, os títulos mais importantes conquistados pelo Leão do Bonfim foram:

Campeão Brasileiro da Série B (1971)
Campeão Mineiro (1932, 1933, 1934, 1935 e 1951)
Campeão Mineiro do Módulo II (1995)
Campeão da Taça Minas Gerais (1977 e 2006)
Campeão Mineiro de Juniores (1997 e 1998)
Campeão Mineiro Juvenil (1964)

Em 108 anos de presença constante nos gramados, o Villa disputou 3025 jogos, já considerada a vitória de ontem sobre o São Bento, com esta estatística:

1.212 vitórias
1.004 derrotas
770 empates
39 resultados desconhecidos
4.781 gols a favor
3.953 gols contra

(FONTE: ALMANAQUE DO LEÃO DO BONFIM)
Wagner Augusto é Conselheiro e Historiador dVilla Nova A. C.

Literatura

"O Mínimo Que Você Precisa Saber Para Não Ser Um Idiota"


Escritos entre 1997 e 2013 pelo jornalista e filósofo Olavo de Carvalho e publicados em diferentes jornais e revistas do país, os 193 textos aqui selecionados esmiúçam os fatos do cotidiano – as notícias, o que nelas fica subentendido, ou que delas passa omitido – para afinal destrinchar, sem dó, a mentalidade brasileira e sua progressiva inclinação pelo torpor e pela incompreensão.

Organizada por Felipe Moura Brasil, a obra aborda temas da juventude à maturidade, da economia à cultura, da ciência à religião, da militância à vocação, do regime militar ao petismo de Lula e Dilma, do governo de George W. Bush ao de Barack Obama.


domingo, 26 de junho de 2016

América Latina

Qual a origem dos nomes dos países da América Latina?

Nomes indígenas, flora e fauna locais, ordens religiosas ou riquezas explicam 'batismo' de nações do continente
Alguns nomes de países da América Latina surgiram graças aos povos que já viviam originalmente no local. Outros foram rebatizados depois da chegada dos colonizadores da Espanha ou de Portugal.
Outros ainda são homenagens aos que lutaram pela independência.
Veja abaixo a origem dos nomes de alguns países da região.
Argentina
Buenos Aires fica nas margens do Rio da Prata. E a prata deu origem ao nome da Argentina
O nome do país significa prata e vem da palavra "argentum", em latim, e "argénteo", em em espanhol.
"No ano de 1554 aparece pela primeira vez em uma peça de cartografia a denominação de Terra Argentea", escreveu o Ministério da Defesa da Argentina em sua página na web.
E o país ganhou seu nome também graças à localização geográfica, às margens do rio da Prata, famoso entre os exploradores do século 16 por ser uma das vias transitáveis da região.
Belize
Uma teoria afirma que o nome do país tem origem no rio Belize, que fica neste território. E Belize seria uma palavra derivada do idioma maia, "balis", que significa "lamacento" ou "úmido".
Outra versão é de que Belize na verdade é um erro de pronúncia do nome de Peter Wallace, um aventureiro escocês que se estabeleceu na região, segundo o Dicionário Oxford de Topônimos.
Bolívia
O nome deste país talvez seja um dos mais previsíveis da lista.
Bolívia tem sua origem no nome do militar e político Simón Bolivar, um dos pais da independência da América do Sul no século 19.
Brasil
História da origem do nome do Brasil, a partir da árvore do pau-brasil, é bem conhecida
A história é bem conhecida: o nome do país vem do nome de uma árvore de cor intensa, avermelhada, parecida com brasas acesas.
Os portugueses chegaram a estas terras e batizaram a árvore de pau-brasil, uma espécie que era comum na América do Sul.
Chile
Quanto ao Chile, são muitas as teorias sobre a origem de seu nome.
Alguns historiadores afirmam que o nome vem da palavra chilli do idioma nativo quechua ou aimará, que significa fim, pois era o fim do império para os Incas, que dominavam a região.
Outros dizem que as terras do chilli ou tchili para os Incas eram as terras do "frio" ou da "neve".
E, segundo o jornal chileno La Nación, outros estudiosos falam que o nome do país vem das palavras trih ou chil, que os nativos usavam para se referir a um pássaro com manchas amarelas em suas asas.
Colômbia
O nome Colômbia tem apenas 153 anos
O nome surgiu como homenagem ao explorador e navegante Cristóvão Colombo, que liderou a primeira expedição espanhola que chegou à América em 1492.
A Colômbia tem este nome há 153 anos. Antes era chamada de Nova Granada e Gran Colômbia.
Todas estas mudanças também vieram acompanhadas de mudanças no tamanho de seu território com o passar dos anos.
Costa Rica
Cristóvão Colombo foi quem batizou o lugar quando chegou à região, em sua quarta viagem. Segundo o Dicionário Oxford, ele acreditava que iria encontrar muito ouro.
O pesquisador costarriquenho Dionisio Cabal afirma que existe que a hipótese de que o nome Costa Rica seja, na verdade, escrito Costarrica e vem do idioma dos huetar, nativos que moravam nesta região da América Central.
E este nome, Costarrica, era como estes indígenas chamavam o povoado onde moravam ou um assentamento dentro de sua comunidade.
Cuba
O nome Cuba vem do idioma dos habitantes originais da ilha
Muitas teorias aparecem quando se fala da origem e do significado do nome desta ilha no Caribe.
Algumas delas afirmam que o nome vem da palavra Ciba, que entre os indígenas taínos, que moravam na região, significa "pedra, montanha, caverna".
Outras dizem que vem da palavra taína cohiba, que os nativos supostamente usavam quando se referiam ao território.
Já uma terceira corrente afirma que vem da palavra árabe coba, que significa mesquita com cúpula e fazia referência à forma das montanhas que podem ser vistas desde a baía Bariay, onde Cristóvão Colombo desembarcou.
Existe ainda uma quarta teoria (e podem haver outras): Cuba está localizada no centro do Caribe e seu nome poderia ser uma derivação do taíno Cubanacan, que significa "lugar do centro", segundo o Dicionário Oxford.
Equador
A linha do Equador marca a divisão entre os Hemisférios Norte e Sul
Este é um dos outros exemplos na região que não deixa dúvidas sobre seu nome.
Equador se refere à localização geográfica do país, na famosa linha imaginária do equador, que divide a Terra em Hemisférios Sul e Norte.
Esta denominação foi dada ao país em 1830, depois que o território se separou da Gran Colômbia.
El Salvador
De acordo com o Dicionário Oxford o nome El Salvador tem origem em uma fortaleza espanhola que ficava onde hoje está a capital, San Salvador.
O governo de El Salvador explicou em 2015, depois que o nome oficial "República de El Salvador" completou cem anos, que a data não está registrada mas a primeira prova de seu nome está no Arquivo da Guatemala e data do ano 1525.
Guatemala
Uma pesquisa feita pelo jornal Prensa Libre de Guatemala sugere que, segundo documentos, o nome de Guatemala já aparecia com esta grafia no ano de 1524.
O nome vem da palavra Quauhtemallan, do idioma náhualt. É o nome pelo qual os indígenas chamavam o território cakchique.
Entre os vários significados para a palavra estão "lugar arborizado, acumulação de madeira ou também terra de águias", segundo o Dicionário Oxford.
Haiti
A palavra Haiti é derivada do idioma arahuaca, língua dos primeiros habitantes do local
Haiti tem origem no idioma arahuaca, que era a língua antigos habitantes do lugar e significa "terra de montanhas".
E este era o nome que os taínos deram à parte oeste da ilha, que divide com a República Dominicana.
Honduras
Cristóvão Colombo chegou a Honduras em sua quarta viagem, no começo de 1500.
Não se sabe exatamente quem batizou estas terras mas o historiador chileno Robustiano Vera afirma que os navegantes descreviam as águas costeiras da região como "honduras" (profundas).
O jornal La Tribuna, no entanto, afirma que, para o geógrafo francês Elisée Reclus, o nome Honduras foi dado por outro explorador, Bartolomé de las Casas, que falou da terra de "Hondure", uma palavra de origem indígena.
Jamaica
Este nome também vem do idioma taíno e está relacionado com a palavra Xaymaca ou Yamaya, apesar de, com as traduções para o espanhol e com o passar dos anos, acabou virando Jamaica.
O significado é "terra de bosques e água".
México
O nome do México tem sua origem neste outro nome: Metztlixihtlico
México é uma tradução e uma simplificação para o espanhol da palavra Metztlixihtlico, o nome com o qual os astecas chamavam a capital.
O significado é "o centro da lua", pois mētztli é lua, xictli é centro e co é lugar.
Algumas teorias afirmam que o verdadeiro significado da palavra México é "o umbigo da lua".
Nicarágua
O nome Nicarágua tem origem em uma palavra indígena mas há discordância quanto ao seu significado.
Alguns acreditam que vem da união entre o nome de um chefe indígena chamado Nicarao e da palavra água.
Segundo o jornal Hoy de Nicaragua, outros afirmam que o grupo dos nahaos chamou a região de Nicanahuac, que significava "os nahoas chegaram até aqui" e com o passar do tempo a palavra se transformou em Nicarágua, devido à dificuldade que os espanhóis tinham para pronunciar a palavra.
Panamá
A cidade do Panamá deu o nome ao país
Com o Panamá temos mais um caso com várias interpretações.
O que se sabe é que o país recebeu este nome devido à Cidade do Panamá, capital do país. A origem da palavra viria dos povos nativos desta região. O significado é "abundância de peixes e borboletas".
Outros pesquisadores afirmam que, na verdade, Panamá tem origem no nome de uma árvore chamada panamá. Os nativos usavam locais onde havia estas árvores para fazer reuniões.
Uma terceira teoria afirma que Panamá tem origem na frase panna mai, do idioma nativo cuna e que significava "mais longe".
Paraguai
Existem duas versões cercando este nome. A denominação vem do guarani, como muitos outros nomes da região, mas as traduções, às vezes, não coincidem.
Examinando o nome em espanhol, Paraguay: alguns afirmam que para se refere a "mar", gua, significa "vindo de" e y, "água".
Ou seja: "água que vem do mar".
O pesquisador paraguaio Jorge Rubiani afirma que o nome vem da palavra paragua, e era o nome de um cacique que fez um pacto com os espanhóis.
Paragua, segundo Rubiani, significa "coroa de penas".
Peru
O nome Peru é muito mais antigo do que a chegada dos colonizadores da Espanha
O nome deste país parece ser anterior à chegada dos espanhóis.
Para o Dicionário Oxford o nome vem de Birú ou Perú, que em guarani significa "rio".
Para o historiador Raúl Porras Barrenechea, Birú era, na verdade, o nome de um cacique do sul do Panamá e todas estas terras recebiam o nome dele.
Outras teorias afirmam que a origem da palavra Peru é Viru, que é uma palavra no idioma quechua.
Porto Rico
Os indígenas taínos, que moravam na ilha, a chamavam de Boriquén ou Borinquen, que significa "Terra do Altíssimo" ou "Terra do Grande Senhor".
Cristóvão Colombo rebatizou a ilha de San Juan Bautista.
O nome atual tem origem nas riquezas que partiam do porto de San Juan, capital da ilha, para a Espanha.
República Dominicana
O primeiro nome da República Dominicana era Santo Domingo (o nome de sua capital nos dias de hoje).
A historiadora Celsa Albert Batista afirma que uma das teorias é que o nome atual veio da ordem religiosa dos Dominicanos que se estabeleceu no lugar para evangelizar os nativos.
Outra teoria é de que Cristóvão Colombo chegou a esta ilha em um domingo e por isso ela foi batizada assim, apesar de o explorador ter chamado a ilha inteira de La Española - o território é compartilhado entre República Dominicana e Haiti.
Uruguai
Sabe-se que esta palavra vem do guarani, mas existem várias versões a respeito de seu significado.
O Dicionário Oxford diz que o nome do país pode ser derivado de uruguä, que para os guaranis significava uma espécie de "mexilhão ou caracol".
Levando em conta o nome em sua grafia em espanhol, Uruguay: a palavra também poderia ter origem em uru, um tipo de ave que vivia na zona do rio; gua, que significa "que vem de" e y, que significa água.
Outra teoria ensinada nas escolas uruguaias é que o nome do país significa "rio dos pássaros pintados".
Venezuela
É a "pequena Veneza". Os exploradores Alonso de Ojedo e Américo Vespucio deram esta definição ao observar que as casas dos nativos na costa de Maracaibo estavam construídas sobre pilares de madeira.
Mas há outra versão.
O jornal venezuelano El Nacional afirma que documentos indicam que os primeiros navegantes que chegaram à região fizeram contato com os indígenas que vivam em uma pequena ilha chamada Veneci-uela.