segunda-feira, 7 de agosto de 2017

Joel Camargo

Joel Camargo - 01º brasileiro no PSG perdeu tudo e teve de vender até medalha da Copa de 1970.

Assim como Neymar, era negro, tratava bem a bola e brilhou no Santos. Mas, após levantar bandeira contra o racismo, morreu pobre, doente e esquecido.
Por sua elegância ao correr com passadas largas, praticamente flutuando sobre o gramado, e ao subir com os braços bem abertos para cabecear, Joel Camargo ganhou o apelido de Açucareiro. Era um zagueiro de técnica privilegiada, talvez o mais habilidoso de sua geração. Embora implacável ao desarmar os atacantes, tinha doçura nos pés. Integrou por quase dez anos o célebre time do Santos de Pelé, foi campeão do mundo com a seleção brasileira em 1970 e, muito antes de Neymar protagonizar a transferência mais cara de todos os tempos, se tornou o primeiro brasileiro a vestir a camisa do Paris Saint-Germain (PSG). Porém, a chegada à cidade luz não teve nenhuma pompa, assim como toda sua trajetória como jogador.

O destino nunca foi generoso com o talento que transbordava de Joel, sobretudo no ano de 1970, que marcou tanto a maior glória da carreira quanto o início de sua derrocada. Ele começou a temporada em alta. Era o homem de confiança do técnico João Saldanha e titular da zaga da seleção. Mas, por interferência da ditadura militar, Saldanha caiu às vésperas da Copa e deu lugar a Zagallo, que barrou o defensor. O Brasil sagrou-se tricampeão no México. Joel nem sequer entrou em campo. Assistiu a todo Mundial do banco de reservas. Apesar da euforia pelo título, encarou o desprestígio como uma humilhação.

Quando voltou, em Santos, o zagueiro gastou o dinheiro da premiação pelo tri na compra de um lustroso Opala vermelho. Na madrugada de 22 de novembro, cinco meses depois da Copa, Joel destruiu o carro ao bater de frente com um poste. Duas mulheres que o acompanhavam morreram no acidente. Ele quebrou o nariz, a clavícula e a perna direita. Ficou quase um semestre inteiro de cama, em recuperação. Condenado a um ano e oito meses de prisão por homicídio culposo, cumpriu pena em liberdade, mas teve seu contrato com o Santos rescindido. Na época, suspeitaram de ele estaria dirigindo embriagado. Joel sempre negou que tivesse bebido naquela noite.  Desde então, magoado, passou a evitar a imprensa. Só levantava voz para se pronunciar sobre uma questão que o fustigava. Foi o primeiro jogador de futebol a se manifestar publicamente contra o racismo no Brasil. 

Paris Saint-Germain
Ao recuperar-se do acidente, estava desempregado, fora do Santos e malvisto pela maioria dos grandes clubes brasileiros. Resolveu, então, no fim de 1971, aceitar uma proposta do recém-fundado Paris Saint-Germain. Longe de ser o clube endinheirado em que se transformou, o PSG acabara de subir para a primeira divisão do Campeonato Francês e amargava as últimas posições na tabela. No elenco, havia uma mescla de atletas amadores e profissionais. O nível técnico era sofrível. E Joel, apesar de zagueiro, chegou com status de campeão do mundo e supercraque para um contrato de sete meses. Sua primeira partida, diante do Bordeaux, foi um choque de realidade.  Jogou ao lado de um líbero amador, que, aos 15 minutos do segundo tempo, marcou um gol contra. O brasileiro percebeu que teria de se virar sozinho. Pegou a bola na defesa, driblou meio time adversário e serviu de bandeja para o centroavante Prost, que desperdiçou a chance com um chute para o alto. Joel perdeu a paciência. Começou a berrar com seus companheiros, prontamente repreendido pelo treinador. Aquele tipo de comportamento, comum entre os boleiros santistas, não era tolerado na França. 

Joel Camargo defendeu o PSG em apenas mais uma partida. A ríspida sinceridade de um atleta habituado a jogar com Pelé e que, de repente, estava cercado de brucutus, fez com que ele colecionasse desafetos durante a curta passagem pelo clube, que o dispensou depois de três meses em Paris.  Na volta ao Brasil, rodou por clubes pequenos, mas rapidamente se desencantou da bola. Aos 29 anos, parou de jogar e mergulhou na bebida. Torrou todas as economias do futebol até perceber que, aos 35, não havia lhe sobrado nenhum tostão. E aí veio uma decisão radical: vendeu todas as medalhas que guardava em casa, incluindo a de campeão do mundo.

O dinheiro da partilha de suas conquistas durou pouco. Falido e com uma filha para criar, se viu obrigado a descobrir outro ofício. Encontrou uma saída como estivador no Porto de Santos. Os dois irmãos que trabalhavam no cais descolaram uma vaga para ele na labuta entre as docas e os navios. Carregava fardos de algodão, café e açúcar. Nas horas de folga, participava das peladas portuárias. O boné enterrado na testa e a barba por fazer disfarçavam a aparência, mas a indefectível elegância de seus movimentos logo aguçou a curiosidade de alguns colegas.

Foram mais de duas décadas de estiva até se aposentar aos 55 anos. Vivia uma rotina pacata em Santos, lutando contra o alcoolismo e o diabetes. Por causa da doença, teve um dedo do pé amputado. Nesta época, havia muito tempo que já não frequentava a Vila Belmiro. Viúvo, recebia amparo da filha e raramente tinha contato com os ex-companheiros de time.

Morreu de insuficiência renal aos 69 anos, em 23 de maio de 2014. Pobre, enfermo e esquecido pelos clubes que um dia se renderam à classe do Açucareiro. Na parede da sala de Joel Camargo, restou a única recordação que conservara dos tempos de jogador: um quadro da mascote da Copa de 70, presente de um torcedor que enxergou a doçura por trás daquele homem que passaria o resto da vida às sombras da amargura.

Nenhum comentário: